Em clima de campanha, Doria inaugura estação da CPTM e rebatiza o espaço de “Bruno Covas”

Trens vão operar de forma parcial e em dezembro deve haver horário integral; Governador prometeu garantia de financiamento da duplicação da M Boi Mirim

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

Com aglomeração de apoiadores e faixas com dizeres como “Brasil, para Frente, Doria Presidente”, o governador de São Paulo, João Doria, secretários e outras autoridades, realizaram a entrega/inauguração da estação Mendes-Vila Natal, a mais nova parada ferroviária da Linha 9-Esmeralda da CPTM.

A maioria dos presentes usava máscaras, mas havia algumas pessoas com o equipamento no queixo.

No discurso, Doria disse que a estação vai se chamar Bruno Covas, uma homenagem ao prefeito de São Paulo que morreu em 16 de maio de 2021 vítima de câncer.

Para a troca de nome, é necessária aprovação da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), mas o governador, no discurso, disse que já poderia fazer as placas porque essa matéria não seria rejeitada entre os parlamentares.

A nova estação funcionará em horário reduzido inicialmente, das 10h até 13h, com intervalo de 20 minutos.

O governador afirmou que a estação Varginha, ainda mais ao sul da cidade e em construção, será inaugurada no primeiro semestre de 2022.

“Ano que vem no primeiro semestre, estarei aqui inaugurando a estação Varginha com todos vocês”, disse Doria, que ainda prometeu garantias de financiamento do governo do Estado para a duplicação da Estrada do M Boi Mirim, também no extremo sul.

Segundo o Governo do Estado, “a obra faz parte do projeto de extensão da linha, que prevê um investimento total de R$ 975 milhões. A nova estação vai ampliar as opções de mobilidade e transporte público no extremo sul da capital.”

Durante o evento inauguração, o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, disse que a projeção é de colocar a estação em funcionamento integral, das 4h até a meia noite, pelo menos até o mês de dezembro.

Além das estações Mendes-Vila Natal e Varginha (em obras), o projeto de extensão da Linha 9-Esmeralda inclui ainda investimentos em todo o sistema de energia, obras viárias e vias férreas. Para melhorar os deslocamentos e garantir segurança aos passageiros na região próxima à nova estação, foram construídos dois viadutos rodoviários (Jacopo Torriti e Micronésia), que vão eliminar as passagens de nível por estarem localizados acima da via férrea. Os acessos ao prédio, construído em uma área de 4,5 mil metros quadrados, serão feitos pelo lado Leste e Oeste do viário em nível sob o leito ferroviário.

A estação conta com  duas escadas rolantes, um elevador, três escadas fixas de concreto e uma metálica, pisos podotáteis, comunicação em Braille, corrimãos e rampas adequadas às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.

Também fazem parte da parada um gerador próprio de energia, sistema de detecção e combate a incêndio, mecanismo para captação e reaproveitamento de água de chuva, aquecimento solar para chuveiros dos funcionários, bem como equipamentos destinados à coleta seletiva de resíduos sólidos.

O espaço conta ainda com monitoramento completo por câmeras e sete bloqueios, sendo um acessível para cadeirante e plataforma central para embarque e desembarque dos trens.

A extensão da linha 9 foi dividida em dois lotes, sendo o lote 1 do atual terminal Grajaú à futura estação intermediária Mendes/Vila Natal, e o lote 2, de Vila Mendes/Natal ao futuro terminal Varginha.

A Linha 9-Esmeralda (Osasco-Grajaú) transporta atualmente cerca de 620 mil usuários por dia útil. Com a ampliação de 4,5 km entre Grajaú e Varginha, a projeção da CPTM é de que sejam acrescentados à linha 110 mil usuários atendidos pelo futuro trecho.

A ligação tem conexão com o Metrô nas estações Santo Amaro (Linha 5-Lilás) e Pinheiros (Linha 4-Amarela) e com a Linha 8-Diamante da própria CPTM, nas estações Osasco e Presidente Altino. Também há integração com ônibus nas estações Grajaú, Jurubatuba, Santo Amaro, Morumbi, Berrini, Pinheiros e Osasco.

Juntamente com a linha 8-Diamante, a linha 9 foi concedida à iniciativa privada, com a CCR e o Grupo Ruas assumindo as operações em janeiro de 2022, mas os investimentos para esta expansão foram públicos.

A expansão custou R$ 975 milhões.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. A população dá credito, mas há ressalvas, porque não são todos que apóiam,,,,como eu….com relação à nomenclatura da estação tudo bem, aceitável…

Deixe uma resposta