Consórcio Mobilidade vence licitação do transporte em Paulínia após punição à S.T.P. Mobilidade

Rápido Sumaré, do Grupo Belarmino, é uma das empresas que venceu a licitação. Viação atua em cidades da região, como Vinhedo. Foto: José Eduardo Garcia Pontual / Ônibus Brasil

Ao lado da Smile, S.T.P. perdeu a certificação de inidoneidade e foi proibida de participar de licitação pelo prazo de dois anos. Classificado em primeiro lugar, Consórcio aguarda agora o prazo para eventuais recursos

ALEXANDRE PELEGI

Finalmente está perto do fim o processo de licitação do transporte coletivo de Paulínia, interior de São Paulo.

Foi classificado vencedor do certame, segundo publicação desta sexta-feira, 30 de julho de 2021, da Comissão Municipal de Licitações, o Consórcio Mobilidade Paulínia, formado pelas empresas Rápido Sumaré Ltda e Terra Auto Viação Transportes Ltda.

De acordo com a Comissão, ao lado da empresa Sancetur, a outra licitante habilitada, prevaleceu o Consórcio por ter ofertado o maior valor de outorga.

O valor de outorga do Consórcio Mobilidade foi mais de cinco vezes maior que o ofertado pela Sancetur: R$ 7.153.820,80  contra R$ 1.350.000,00.

Resta agora correr os prazos para recursos. Após esta etapa, a prefeitura poderá então homologar o resultado.


O resultado só foi possível após a prefeitura punir a outra empresa licitante, a S.T.P. Mobilidade, em processo administrativo. Ao lado da Smile, a S.T.P. foi acusada de formação de cartel, superfaturamento e falsificação contra a Administração Municipal, atos que teriam resultado em prejuízo em torno de R$ 19 milhões ao erário.

Como consequência, o prefeito Ednilson Cazellato determinou, entre outras punições, a certificação de inidoneidade das empresas e a proibição de participarem de licitação pelo prazo de dois anos.

Como mostrou o Diário do Transporte, a S.T.P. Mobilidade estava participando da licitação do transporte na cidade. Inabilitada na primeira fase do certame por não atender aos requisitos previstos no edital, a empresa deu entrada em uma série de ações na justiça, o que impediu a conclusão final do processo.

Em licitação do transporte judicializada, Paulínia abre envelopes com propostas comerciais, mas não registra valores em ata

 

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Ana Santos Lima disse:

    Vergonha esse transporte. Tanto dinheiro para uns ônibus caindo os pedaços e que nunca tem no horário só vivi lotado e motorista despreocupados.

Deixe uma resposta