Piracicabana atende reivindicações e sindicato suspende greve de ônibus de Santos (SP)

Trabalhadores terão reajuste salarial de 7,59% e 11,11% nos benefícios, retroativos a maio. Foto: Divulgação.

Paralisação estava marcada para esta terça (26), após adiamentos, mas transporte coletivo vai operar normalmente

JESSICA MARQUES

A greve de ônibus em Santos, no Litoral Paulista, foi suspensa. A paralisação estava marcada para esta terça-feira, 26 de julho de 2021, mas a empresa Piracicabana, que opera no transporte coletivo da cidade, atendeu às reivindicações do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários.

Os pedidos da categoria são para a data-base de maio. Segundo o sindicato, os 358 motoristas, 82 operários de manutenção e 28 administrativos, totalizando 468 empregados, terão reajuste salarial de 7,59% e 11,11% nos benefícios, retroativos a maio.

A greve também foi contra o anúncio de demissão em massa, o que não será mais realizado pela empresa. Inicialmente, a paralisação seria na última semana, depois foi marcada para a manhã de segunda (26) e adiada, a pedido da Prefeitura e da empresa, que se reuniram nesta semana.

Os trabalhadores estavam em “estado de greve” desde 24 de junho. “O desfecho foi fruto de luta sindical e de negociação”, afirmou o presidente do sindicato, Valdir de Souza Pestana, em nota enviada ao Diário do Transporte.

PARALISAÇÕES PARCIAIS

Na semana passada, após duas paralisações parciais, na segunda (19), o sindicalista solicitou ao prefeito Rogério Santos que conversasse com a empresa.

Pestana informou que estava preocupado com a intenção da Piracicabana de demitir os quase 500 trabalhadores e pagar as verbas rescisórias em 36 vezes. Por isso, insistiu no diálogo da empresa com a prefeitura.

A empresa opera 186 ônibus na cidade e a greve foi aprovada na mesma segunda-feira dos protestos (19), em assembleia na garagem do bairro Jabaquara.

A assembleia atrasou a saída dos veículos em aproximadamente uma hora. Na mesma manhã, a direção sindical espalhou-se pelos pontos finais da cidade e convocou os motoristas para um protesto, na Praça Mauá.

No protesto, diante da Prefeitura, 72 ônibus ficaram parados das 10h às 11h, quando Pestana e o vice-presidente, José Alberto Torres Simões ‘Betinho’, discursaram contra as demissões e pelas reivindicações.

O sindicato informou, em nota, que também conseguiu que a BR Mobilidade, empresa do grupo da Piracicabana, aplicasse os mesmos índices para os trabalhadores das linhas intermunicipais da região, Bertioga e Itanhaém.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. populacao2021@hotmail.com disse:

    O ministério público participou dessa negociação ? Kkkkk desde que me conheço por gente só essa empresa opera AK na baixada mesmo assim não que da aumento aos motorista e cobrado

Deixe uma resposta