Motoristas de ônibus e caminhão sem exame toxicológico serão multados a partir desta quinta, 1º de julho

Inicialmente, a multa será aplicada apenas a motoristas sem o exame que cuja CNH vence entre março e junho deste ano. Foto: Divulgação.

Autuação é mais de R$ 1.400 por descumprimento, além da suspensão da CNH por três meses

JESSICA MARQUES

Os motoristas de ônibus, caminhão e máquinas agrícolas que não estiverem com o exame toxicológico em dia passam a ser multados a partir desta quinta-feira, 1º de julho de 2021. A exigência é para todos os condutores com CNH (Carteira Nacional de Habilitação) nas categorias C, D e E.

O exame toxicológico obrigatório deve ser feito a cada dois anos e meio. Quem não cumprir este prazo, paga uma multa de R$ 1.400, considerada gravíssima, além de ter a CNH suspensa por três meses.

Inicialmente, a multa será aplicada apenas a motoristas sem o exame que cuja CNH vence entre março e junho deste ano. Entretanto, até janeiro de 2022, todos os motoristas das três categorias devem estar com o exame em dia.

Segundo a Associação Brasileira de Toxicologia, a exigência deve impactar 10 milhões de motoristas profissionais.

A regra está em vigor desde 12 de abril deste ano, mas a aplicação das multas foi adiada pelo Conselho Nacional de Trânsito devido à pandemia de covid-19, que gerou limitações para a realização dos testes a tempo.

A necessidade de exame toxicológico para conduzir transporte de cargas ou de passageiros existe desde 2016, mas não gerava multa.

Leia também:

Contran prorroga prazo para motorista realizar exame toxicológico periódico

Esse assunto estava causando preocupação para muitas empresas e motoristas profissionais que atuam em atividade remunerada, que alegavam que o prazo de 30 dias não seria suficiente para que todos possam realizar novo exame para regularizar a situação.

Relembre:

Empresas e condutores profissionais reclamam de prazo curto para regularizar periodicidade do exame toxicológico

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta