Eletromobilidade

Empresa dos EUA diz desenvolver ônibus elétrico voador com capacidade para 40 passageiros

Veículo é 100% elétrico

Veículo vai funcionar por decolagem e pouso verticais; Há a configuração para carga de até 4,5 toneladas

ADAMO BAZANI

A era dos ônibus que voam pode estar chegando.

Pelo menos é o que promete uma empresa de inovação sediada em Nova Iorque, chamada Kelekona.

A companhia informou à imprensa internacional que trabalha no desenvolvimento de um veículo para 40 passageiros e um condutor que será uma espécie de ônibus voador.

Assim como os drones, as decolagens e pousos serão verticais o que, segundo a empresa em seu portal, traz a vantagem de necessitar de pouco espaço na área urbana.

O veículo terá oito rotores, será movido por eletricidade armazenada em baterias e a estrutura deve ser de alumínio para aumentar a resistência e deixar o veículo leve.

O método de produção será por impressão em 3D.

O ônibus voador ainda terá sensores, câmeras estéreo e radar para detecção e prevenção de aeronaves desconhecidas, colisão de pássaros, anomalias climáticas e infraestrutura física desconhecida.

A empresa pretende fazer a primeira rota entre Nova York e Hampton, com tempo de viagem de uma hora, mas já há planos para outras ligações como de Los Angeles a São Francisco e de Londres a Paris.

Ainda em seu portal a Kelekona diz que o “ônibus” é “uma classe diferente de eVTOL (um acrónimo para o estrangeirismo inglês Vertical Take-Off and Landing, que significa “Decolagem e Aterrissagem Vertical”.) e que sua “abordagem é o transporte público”.

Para a empresa, o que ocorre com as vias, já está ocorrendo com o espaço aéreo: com trajetos cada vez mais demandados e congestionados, a “solução” para os veículos voadores será o transporte coletivo.

A companhia aguarda regulamentação para voar com o ônibus, o que pretende que ocorra em 2024, mas as primeiras operações devem ser para cargas.

Sem passageiros e bancos, o ônibus pode se transformar num veículo que transporta até 4,5 toneladas de carga.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta