Eletromobilidade

Balanço socioambiental do Metrô de Fortaleza aponta R$ 84 milhões em benefícios

Estação Padre Cícero faz parte da Linha Sul do Metrô de Fortaleza, a mais movimentada do sistema. Foto: Metrofor

Este é o valor de custos, em diversas áreas da economia e setores da sociedade, que deixaram de acontecer devido à operação das linhas Sul, Oeste e VLT Parangaba-Mucuripe

ALEXANDRE PELEGI

Graças à operação do Metrô de Fortaleza diversas áreas da economia e setores da sociedade da capital cearense deixaram de gastar uma quantia de R$ 83,79 milhões.

Este é o total dos benefícios socioambientais no ano de 2020, segundo o relatório de Monetização dos Benefícios Socioambientais do Sistema Metrofor, produzido pela Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos.

O documento foi divulgado este mês, quando se celebra o Dia Mundial do Meio Ambiente.

O Metrofor opera atualmente as linhas Sul, Oeste e VLT Parangaba-Mucuripe.

O trabalho faz uma análise da demanda de viagens em ônibus, carros e motos que seria necessária para suprir o volume de transporte que hoje é realizado pelo transporte de passageiros sobre trilhos na capital cearense.

Ou seja, se não existisse o Metrô e suas linhas, quanto a sociedade precisaria gastar para se movimentar na cidade? Além disso, quanto a mais a sociedade gastaria com custos de saúde e outras consequências do aumento do transporte de carros e motocicletas?

O estudo, portanto, identifica e dimensiona os benefícios trazidos pela operação das linhas.

Em síntese, graças ao transporte sobre trilhos, vários carros e motocicletas deixam de circular nas ruas e avenidas diariamente.

O diretor de Desenvolvimento e Tecnologia da Companhia, Edilson Aragão, explica: “Somente na Linha Sul, tivemos em 2020 benefícios socioambientais na casa dos R$ 55,5 milhões. Em 2019, essa mesma linha, que é a maior do sistema metroviário, gerou benefícios em torno de R$ 76 milhões. Compreendemos que, se não fosse a pandemia e as necessárias paralisações que o sistema sofreu, o resultado em 2020 seria ainda maior que em 2019, pois o transporte sobre trilhos no Ceará vivia, até a pandemia, um aumento constante no número de passageiros”.

Reduzir carros e motocicletas nas ruas traz benefícios sociais de grande impacto, que podem ser calculados pela diminuição do número de acidentes e mortes, pela menor quantidade de poluentes lançados na atmosfera, e pelo ganho de tempo e qualidade de vida para os passageiros.

A pesquisa realizada pelo Metrofor define 6 eixos de benefícios socioambientais gerados pelas Linhas Sul, Oeste e VLT Parangaba-Mucuripe, e aponta, em reais, as economias geradas em cada um deles.

– Redução no tempo de viagem dos passageiros: R$ 44,7 milhões.

– Menor custo de operação de veículos: R$ 21,9 milhões

– Menor consumo de combustível: R$ 5,3 milhões.

– Redução com acidentes de trânsito: R$ 10,1 milhões.

– Menor volume de poluentes emitidos: R$ 811,9 mil.

– Redução do custo de manutenção de vias: R$ 574,6 mil

– Total: 83,79 milhões.

O relatório detalhado pode ser acessado no site www.metrofor.ce.gov.br.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta