Diário no Sul

Santa Maria (RS) altera forma de cobrança da tarifa no transporte coletivo

Foto: Busólogo Holkem/Ônibus Brasil

Presença de cobradores é reduzida em 50% e a capacidade máxima dos veículos segue sendo de 60%

WILLIAN MOREIRA

Em razão de alterações no avanço da pandemia do coronavírus, a Prefeitura de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, alterou na ultima sexta-feira, 21 de maio de 2021, a forma como a cobrança da passagem nos ônibus urbanos é efetuada.

Levando em consideração uma série de fatores como a redução no custo da operação do transporte público, os veículos passam a circular sem a presença do cobrador em 50% dos horários determinados, e o limite máximo continua em 60% da capacidade.

Segundo o secretário de Mobilidade Urbana, Orion Ponsi, em nota divulgada para a imprensa, a decisão tomada não prevê demissões, mas sim contemplar estes trabalhadores com o Programa Emergencial de Manutenção de Emprego e Renda do governo federal.

Ainda segundo Ponsi, as empresas atuam no vermelho na pandemia devido à diminuição notável de passageiros e essa ação, por meio de decreto, quer assegurar a continuidade da circulação dos ônibus, prevenindo danos à população.

Imagine o dano à população se o serviço de transporte público entrar em colapso e deixar de funcionar? São medidas necessárias e tomadas com muita responsabilidade, que visam à proteção do sistema de transporte coletivo. Temos, hoje, um passivo financeiro sendo criado. O sistema opera no vermelho e, se seguirmos assim, pode acarretar no colapso do sistema e, por consequência, demissões em massa. Na redução de custos, também está prevista a redução de 50% dos salários dos diretores de empresas de ônibus, assim como a retirada de veículos imobilizados do sistema. Estamos buscando diminuir custos de todos os lados, porque precisamos manter o foco no que é melhor para todos. Vamos ir avaliando a situação mês a mês, de acordo com os cenários apresentados”, explicou Orion Ponsi.

O decreto determina a redução dos cobradores preferencialmente aos sábados, domingos, feriados e em horários e linhas com demanda mais baixa de pessoas.

Nos ônibus sem cobradores, o usuário deverá efetuar o pagamento para o motorista e para agilizar o processo, o troco máximo é de R$ 20.


Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. José Farias de Sena disse:

    cambada de vagabundos

Deixe uma resposta