ANTT realiza campanha de conscientização no Maio Amarelo

Segurança viária e prevenção a acidentes são o foco da ação integrada

JESSICA MARQUES

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) está realizando uma campanha de conscientização devido ao Maio Amarelo. O foco da ação integrada é a segurança viária e a prevenção de acidentes.

O Maio Amarelo é uma campanha internacional que envolve iniciativas conjuntas de instituições públicas e privadas, em um esforço coletivo e integrado, dedicada a desenvolver ações que contribuam de maneira efetiva para a diminuição dos elevados índices de acidentes no trânsito em todo o mundo. “Respeito e responsabilidade” é o mote da campanha deste ano no Brasil.

Em 2021, o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) estabeleceu como mensagem-chave “No trânsito, sua responsabilidade salva vidas”.

Em nota, a ANTT ressaltou que o Brasil é o quarto país com maior índice de acidentes de trânsito do mundo, segundo o ONVS (Observatório Nacional de Segurança Viária).

“Isso significa mais de meio milhão de vítimas todos os anos: suficiente para lotar mais de 5 estádios do Maracanã, um dos maiores estádios de futebol do planeta. A cada 12 minutos uma pessoa morre por acidentes de trânsito no nosso país. Os dados são alarmantes e as ações para prevenção são urgentes”, reforçou a ANTT.

CARGA

Nesse contexto de responsabilidade, a ANTT detalhou as ações realizadas em prol do Maio Amarelo. Neste ano, o foco da agência é o lema “Morte: não leve essa carga na estrada”.

A ideia é informar, esclarecer e sensibilizar os transportadores a respeito dos limites de peso no transporte rodoviário de cargas, assim como a respeito do mais importante: a segurança viária e a preservação da vida.

De acordo com pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), em um período avaliativo de 10 anos, das 38.040 mortes em acidentes com envolvimento de caminhão, verificou-se que 2.777 foram resultado de capotamento/tombamento (25,6%).

Segundo explica o relatório, o excesso de peso representa um perigo para as rodovias brasileiras, pois “a sobrecarga pode dificultar a frenagem e a mudança brusca de direção. É possível ainda que haja tombamento. A situação piora à medida que a velocidade aumenta. Além do risco de acidente, o excesso de carga piora a condição da infraestrutura existente. Pode ocorrer também o derramamento de substâncias tóxicas nas rodovias, que podem trazer prejuízos ao meio ambiente e gerar a interdição da pista, prejudicando quem por ali trafega. O resultado disso é a perda de produtividade”.

ACIDENTES

Conforme dados da Polícia Rodoviária Federal, em 2020 ocorreram mais de 63 mil acidentes nas rodovias federais. Mais de 5 mil foram decorrentes de tombamento de caminhões por excesso de peso.

“Diante dessas estatísticas, a ANTT se preocupa e reforça a fiscalização relativa à sobrecarga dos caminhões. Em 2020, foram 99.698 autuações por excesso na carga. Já de janeiro a abril de 2021, foram 34.190 autuações”, detalhou a agência, em nota.

“O objetivo não é multar, mas que todos andem dentro da legalidade”, ressalta o superintendente de Fiscalização de Serviços de Transporte Rodoviário de Cargas e Passageiros (Sufis/ANTT), Nauber do Nascimento.

Assim, a ANTT alerta para os seguintes requisitos de segurança:

·         Respeitar o limite da carga por peso bruto total;

·         Respeitar o limite da carga por eixo do veículo;

·         Respeitar o centro de gravidade (quanto mais baixo, mais adequado);

·         Fazer a amarração correta da carga. Nada de carga frouxa;

·         Por fim, respeitar os limites de velocidade, principalmente nas curvas.

Outra ação realizada pela ANTT é um podcast para debater o tema, no Spotify. No programa “ANTT em Sintonia com Você”, o superintendente Nauber do Nascimento explica que a principal causa de tombamento nas estradas é o excesso de velocidade associado ao excesso de peso dos caminhões.

“O veículo com excesso de peso põe em risco a vida do caminhoneiro e dos demais cidadãos. O prejuízo é para o transportador, para o embarcador e, claro, para a sociedade”, ressalta Nauber.

O superintendente também alerta para o risco do transporte clandestino, não autorizado pela ANTT. “Esse tipo de veículo, geralmente, apresenta defeitos nos equipamentos de segurança obrigatórios (para-brisa, pneu, extintor, etc) ou até mesmo ausência deles. Além disso, e aqui vem a conexão com o tema de excesso de peso, tais veículos transportam irregularmente muito peso nas bagagens, às vezes até fora do espaço destinado à carga, colocando em risco a vida do motorista e de todos os passageiros”. 

Nauber explica que o excesso de peso deixa os caminhões e ônibus com a direção mais instável, gerando mais risco de tombamento. “Para frear o veículo, leva-se mais tempo e os freios podem não aguentar, sobretudo em descida de serras. O desgaste nas rodovias, provocado pelo excesso de peso, aumenta os riscos de acidentes, sobretudo para os veículos de passeio. Buracos e desníveis nas estradas causam prejuízos materiais e financeiros também, como redução na vida útil dos pneus e suspensão, reduzindo a vida útil dos veículos”, destaca.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta