Dois consórcios apresentam propostas em licitação das obras do túnel de conexão entre Linhas 4-Amarela e 2-Verde

Com a conclusão da obra haverá um túnel para cada fluxo de passageiros. Atual ligação deverá ser usada apenas para o deslocamento no sentido da estação Consolação. Foto: Diário do Transporte

Valores para construção de obra que aliviará o fluxo entre as duas linhas metroviárias vão de R$ 71 milhões a R$ 55,6 milhões

ALEXANDRE PELEGI

O Metrô de SP divulgou em seu site a Ata Pública (veja abaixo) da licitação para as obras do túnel de conexão complementar entre a Estação Paulista da Linha 4 – Amarela e a Estação Consolação da Linha 2 – Verde.

A entrega das propostas comerciais aconteceu nessa quinta-feira, 15 de abril de 2021.

Dois consórcios entregaram duas cartas de credenciamento, conforma solicitado pelo edital, o que indicou que ambos estavam aptos a participar do certame.

O Consórcio TDEC-TER-SOM, composto pelas empresas Teixeira Duarte Engenharia e Construções SA, Terracom Construções Ltda, Somafel Engenharia e Obras Ferroviárias do Brasil, apresentou a proposta de maior valor, R$ 70.984.408,37.

Já o consorcio CTS – LINHAS 2 E 4, integrado pelas empresas Constran Internacional Construções SA, Telar Engenharia e Comercio SA e Sprail Serviços Ferroviários Ltda, foi o que teve a proposta comercial de menor valor, R$ 55.666.607,22.

Como mostrou o Diário do Transporte, a licitação foi lançada em publicação no Diário Oficial do dia 07 de dezembro de 2020.

Em nota na época, o Metrô informou que, com a conclusão da obra, haverá um túnel para cada fluxo de passageiros

A nova ligação vai ampliar a capacidade da transferência gratuita de passageiros entre as estações, melhorando o fluxo de deslocamento das pessoas.

De acordo com os projetos elaborados, essa nova conexão será feita através de uma nova passagem subterrânea. Com isso, a atual ligação deverá ser usada apenas para o deslocamento no sentido da estação Consolação, enquanto a nova atenderá aos passageiros que seguem para a estação Paulista.

Croqui (de acordo com o Projeto Básico)

Como mostrou o Diário do Transporte, O Metrô de São Paulo divulgou em 16 de maio de 2019 a homologação de licitação, adjudicação e extrato de contrato com o consórcio TPC para elaboração dos projetos executivos de engenharia civil, acabamento, comunicação visual e prestação de serviços de acompanhamento técnico do túnel entre as estações Paulista e Consolação.

O contrato, no valor de R$ 3.881.856,50 conta com recursos do Banco Mundial, e tem prazo de 42 meses.

Como os paulistanos bem sabem, a ligação entre as duas linhas está saturada. São 225 mil pessoas diariamente fazendo a ligação entre as estações no eixo Paulista-Consolação.

O projeto preliminar, que será ampliado e detalhado, prevê um novo túnel conectado ao atual próximo ao início das esteiras que interligam as linhas Amarela e Verde.

Com o túnel pronto, ele será destinado para os usuários com destino à linha 4-Amarela. O atual será usado pelos passageiros com destino à linha 2-Verde.

A nova ligação deve ter 92 metros de comprimento e ser entregue até 2022.

A demanda total prevista é de 34 mil pessoas pelo túnel que tem o objetivo de melhorar o fluxo entre as duas estações.

HISTÓRICO

O início do processo se deu com a publicação no Diário Oficial Empresarial de 31 de outubro de 2017, de um Pedido de Manifestação de Interesse (PMI), com o objetivo de convocar empresas interessadas em apresentar projetos para a construção de um novo túnel ligando as Estações Paulista, da Linha 4-Amarela, e Consolação, da Linha 2-Verde.

O assunto é antigo. Quem usa a ligação entre as estações Paulista e Consolação do metrô paulista sabe como é um sufoco andar por aquele túnel nas horas de maior movimento.

A quantidade de pessoas que passam pela ligação de 195 metros entre as linhas 4-Amarela e 2-Verde é tamanha que o caminho já foi apelidado por usuários de “marcha dos pinguins”. Até mesmo um ex-presidente do Metrô já se referiu à imagem das aves de pernas curtas amontoadas e apressadas para se referir ao movimento intenso numa estação superlotada.

Os engenheiros do Metrô já haviam concluído há alguns anos que seria preciso um novo túnel para contornar o aperto nesta ligação, que havia sido projetada para receber 263 mil pessoas por dia e que opera no limite desde a inauguração da estação Paulista, em 2010.

O processo para contratar o projeto executivo da obra foi aberto com financiamento garantido pelo Banco Mundial.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta