CPTM lança licitações para levar linhas 11-Coral e 13-Jade até a Barra-Funda

Foto: Linha 13-Jade, Diário do Transporte

Objetivo das obras é aliviar a pressão no sistema na estação Luz, espalhando os passageiros entre as três estações

WILLIAN MOREIRA

A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) lançou nesta quinta-feira, 15 de abril de 2021, duas licitações para selecionar empresa ou consórcio responsável por supervisionar as obras civis, engenharia e arquitetura do projeto “Integração Centro de São Paulo” que levará as linhas 11-Coral e 13-Jade para a estação Palmeiras-Barra Funda.

De acordo com os documentos publicados, a previsão é que o trabalho seja concluído em 36 meses contados a partir da assinatura, portanto para 2024. Os recursos para o empreendimento deverão vir do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

As obras incluem intervenções de engenharia nas estações Palmeiras-Barra Funda, Luz e Brás, com novos elevadores para acessibilidade, escadas rolantes e outras melhorias. O objetivo é maior fluidez no fluxo de pessoas. Um novo túnel de integração entre a estação Luz de trem e a do Metrô será construído.

O edital publicado no site da Companhia de trens explica que a Linha 13-Jade foi concebida para conectar o segundo município mais populoso do estado, Guarulhos, à capital de São Paulo por meio de sistema ferroviário, contemplando o Aeroporto Internacional de Cumbica. No entanto, para chegar até a região central pelo serviço convencional, excluindo da menção o Expresso Aeroporto, o passageiro precisa se deslocar até a estação Brás e de lá seguir até Engenheiro Goulart ou vice versa para então usar de fato a linha 13, o que é desconfortável para o passageiro.

Com as obras finalizadas, o que se espera é uma melhor integração da Linha 13-Jade ao sistema metroviário de São Paulo, oferecendo mais conforto aos passageiros.

Isso porque parte da demanda de passageiros da linha 12 deverá passar para a linha 13 Jade a partir de Barra-Funda ou Luz. Outra consequência será uma agilidade da passagem da linha Jade até seu trecho exclusivo, uma vez que entre Palmeiras-Barra Funda e Engenheiro Goulart ela utilizará as vias da Linha 11-Coral.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. vagligeiro disse:

    Dado que hoje há uma maior dificuldade quanto a desapropriação, creio que terá as seguintes possibilidades:

    – Alternância entre as linhas 11 e 13 entre os trechos da Barra Funda ao Brás. Provavelmente vão reconstruir as plataformas do Brás. Intervalos até 10 minutos para cada linha (5 minutos linha 11, 5 minutos linha 13) para a passagem. Seria a tão planejada “integração centro” projetada nos anos 2000.

    – Alternância das linhas 11, 12 e 13 entre o Brás e Tatuapé. A não ser que o GESP/CPTM pensem em deixar a 13 em um esquema similar ao “Expresso Aeroporto” (não para nas estações da linha 11 / 13). Mas pelo visto não será assim.

    – Construir novas plataformas com novas linhas seria custoso, demorado e provavelmente desativaria a Estação Luz por alguns meses. Fora que na verdade o subterrâneo da região já está sobrecarregado. Conectando a uma matéria antiga citando uma necessidade de criação de novos acessos, provavelmente a Luz ganhará alguma extensão nas próprias plataformas assim que todas as licitações relacionadas forem trabalhadas e aprovadas.

    (Não entendo a CPTM não pegar os carros que estão paralisados, investir em nova mão de obra e com estes carros, criar “serviços expressos” para integrar linhas, tipo pegar e ligar a Linha 9 com um carro que vá até a Luz por exemplo.

Deixe uma resposta