Câmara Municipal de São Paulo discute PL que pode definir cronograma para vacinar motoristas e cobradores de ônibus

Trólebus do sistema municipal de São Paulo

Categorias ligadas a outros serviços públicos também seriam beneficiadas

ADAMO BAZANI

A Câmara Municipal de São Paulo iniciou nesta quarta-feira, 24 de março de 2021, discussão do Projeto de Lei que deve recomendar quais categorias de trabalhadores devem ter prioridade na vacinação.

Segundo a agência da Câmara, os profissionais que serão contemplados devem ser vacinados com as doses extras negociadas pela prefeitura.

A gestão Bruno Covas quer comprar cinco milhões de doses por meio do consórcio público criado pela FNP (Frente Nacional de Prefeitos).

Nos debates desta quarta-feira, os vereadores citaram diversas categorias que podem ser beneficiadas como professores, assistentes sociais, motoristas e cobradores de ônibus, feirantes, coletores de lixo, caixas de agências bancárias, caixas de mercados e funcionários da linha de frente da CPTM e do Metrô.

No caso dos professores e demais funcionários da educação, nesta quarta-feira (24), o governador João Doria anunciou a vacinação para o início de abril. Também serão vacinados profissionais da segurança pública.

A discussão se deu com base no Projeto de Lei 189/2019, cujo texto original, já aprovado em primeiro turno, autoriza a permuta de uma área pública por um imóvel de propriedade do Hospital Nove de Julho.

O PL original ganhará um substitutivo e será suprimido, sendo trocado pelo tema das vacinas.

A manobra é para que o assunto seja analisado com rapidez, dispensando as fases de ingresso de novos projetos.

“Não é do Hospital Nove de Julho que estamos tratando. Estamos apenas utilizando o projeto que tramitou até então. Faremos a supressão do texto e ficará apenas a questão da matéria da vacina”, explicou, em nota, o presidente da Câmara, Milton Leite.

O PL sobre o Hospital Nove de Julho deve ser apresentado como outro projeto pela prefeitura.

O Projeto de Lei sobre a vacina a categorias profissionais será assinado pelos 55 vereadores. A intenção da Casa é votar o PL na primeira semana de abril.

De acordo com nota da assessoria de imprensa da Câmara, o líder do governo na Câmara, vereador Fabio Riva, falou que todas as sugestões apresentadas serão formalizadas em uma minuta e levadas ao conhecimento de Bruno Covas antes de o texto do projeto retornar ao Plenário para ser apreciado.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta