CPTM seleciona 36 funcionários de diferentes locais do Brasil e do mundo para contarem suas histórias

Projeto Histórias Ferroviárias, em formato de websérie, quer mostrar aos passageiros da companhia quem são as pessoas que não param mesmo durante a pandemia

ALEXANDRE PELEGI

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) encontrou uma maneira bonita de homenagear seus quase 8 mil colaboradores.

A Companhia lançou o projeto Histórias Ferroviárias, que falará da vida da empresa por intermédio das experiências vividas por 36 de seus colaboradores.

Em formato de série, a partir da próxima terça-feira, 23 de março de 2021, a CPTM iniciará a divulgação em suas redes sociais.

Logo, a “websérie” vai mostrar histórias contadas por diferentes personagens que nasceram em diferentes locais do Brasil e do mundo, e de como chegar à CPTM mudou para melhor suas vidas.

O Projeto Histórias Ferroviárias faz parte do Programa Cultural CPTM, e é o primeiro de diferentes ações que serão implementadas pela empresa em 2021.

Os episódios da websérie serão publicados todas as terças e sextas-feiras até o mês de julho.

Com foco nas pessoas que constroem a empresa, o objetivo é valorizar esses colaboradores que fazem parte deste universo tão diversificado, e melhorar as relações interpessoais em diferentes aspectos.

Além disso, estas histórias visam mostrar aos passageiros da companhia quem são as pessoas que não param mesmo durante a pandemia, transportando quem trabalha nos serviços essenciais e não podem cumprir o isolamento social, diz nota da CPTM que divulga o lançamento do projeto.

O presidente da CPTM, Pedro Moro, ele mesmo um dos personagens, conta que a websérie mostrará as dificuldades pelas quais estas pessoas passaram, “mas também as superações, trazendo fé e esperança em dias melhores para quem a assistir”.

Pedro nasceu no Chile, durante a ditadura militar, no exílio dos seus pais. Ainda morou em países da Europa e só conheceu o Brasil aos sete anos de idade.

Constituída por diferentes sotaques e idiomas, a CPTM quer humanizar a relação com os passageiros. Sim, porque as histórias mostradas nos vídeos são parecidas com a de tantas outras pessoas, “que deixaram suas cidades natais em busca de um futuro melhor na região metropolitana de São Paulo”.

O próprio quadro de funcionários da CPTM é uma amostra da diversidade de pessoas que reflete, em parte, os usuários do sistema: dos 7.786 colaboradores da empres, mais de 99% são brasileiros, apesar de no quadro de funcionários existirem pessoas de Portugal, Chile, China, Espanha, Itália, Japão e Rússia. No entanto, entre os brasileiros, praticamente todos os estados compõem essa vitrine de pessoas, incluindo todas as etnias.

Os 36 participantes que contarão suas histórias para o projeto, foram selecionados pelo RH da CPTM. Convidados a gravarem seus depoimentos de forma espontânea, ele mostrarão como e por que chegaram à companhia.

Em nota, a CPTM conta que ao ouvir as histórias, “foi descoberto que muitos funcionários chegaram à companhia como estagiário do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), que aceitou ser parceira neste importante projeto”.

As gravações foram feitas pela Abacate Filmes, indicada pelo CIEE, e seguiram todos os protocolos de segurança necessários durante a pandemia para garantir a saúde dos colaboradores e toda a equipe de trabalhou no projeto.

A primeira história apresentada será a de Isabella de Melo Neves, que atua no Centro de Controle Operacional.

Isabella entrou na companhia com a missão de garantir que graves acidentes, como o que ocorreu com a CPTM no final da década de 1990, não ocorressem mais; isso porque ela perdeu um grande amigo na tragédia.

Isabella é uma mulher transsexual, que fez sua transição durante o período em que estava atuando na companhia.

Além de Isabella e Pedro Moro, a websérie também mostrará as histórias de um imigrante japonês cujos pais vieram para o Brasil após a Segunda Guerra Mundial, além de tantas outras.

Em todos esses casos, uma coisa em comum: todos eles que mostram que a Companhia foi uma escolha de vida para muitas pessoas, movidas por grandes sonhos e por grandes paixões, inclusive pela própria ferrovia.

Assista a uma amostra da websérie:

Para acompanhar nas redes sociais da companhia, basta escolher o canal:

Instagram: cptm_oficial

Twitter: CPTM_oficial

Facebook: CPTM.fanpage

Youtube: CPTMoficial

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Um dado importante que gostaria de ver: quantos funcionários eram na CBTU para a rede ferroviária do estado, e quantos são hoje??? Gostaria de ver essa comparação. Hoje ando pelas linhas e vejo o quanto de pessoas estão em serviços, que tem empregos, o que as transformações na empresa ferroviaria ocasionou depois de tudo que vi, presenciei, participei (com afinco) nestes longos 30 anos de ferrovia. Legado é algo que vc deixa de bom prá humanidade.. isto me basta. SP é hoje o Top em matéria de transporte público ferroviário. Ano que vem tem festa na CPTM

Deixe uma resposta