Ônibus de aplicativo do Corredor ABC registra aumento de demanda no primeiro mês de operação

Ônibus no corredor ABD

Empresa fala em crescimento acumulado de 356% . Número absoluto não foi informado

ADAMO BAZANI

O ônibus de aplicativo que serve o Corredor Metropolitano ABD, entre os terminais Santo André e Diadema, teve crescimento de demanda no primeiro mês de operação, que começou em 05 de janeiro de 2021.

De acordo com a empresa UBus, responsável pela plataforma tecnológica, a expansão foi de 356%

Para melhor entendimento do comportamento da demanda, o Diário do Transporte questionou sobre os números absolutos, mas a empresa não informou.

O serviço é operado por ônibus padrão rodoviário pela Metra, concessionária do corredor.

O valor da tarifa é de R$ 7,50, podendo ser paga via aplicativo (cartão de crédito) ou cartão BOM.

Os veículos possuem ar-condicionado, wi-fi e acompanhamento da rota em tempo real. A empresa garante também que os ônibus são higienizados “várias vezes” por dia.

Em nota, o diretor de operações do Ubus, Victor Gonzaga, disse acreditar que esse número revela que havia uma demanda reprimida.

“O aumento na procura pelo transporte com a tecnologia do UBus foi expressivo no primeiro mês. Entendemos que isso se dá também por ser uma novidade. Porém, identificamos que muita gente que experimenta acaba retornando e gerando mais boca-a-boca sobre o assunto. Nossa pesquisa de satisfação mostra que 99% das pessoas que experimentaram o serviço avaliam a experiência em geral e o atendimento dos motoristas como ótimo e 100% avalia os novos ônibus operados pela Metra como excelentes”.

A nota também não informa quantas pessoas participaram desta pesquisa, somente os percentuais.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. A cada reformulação em diversos seguimentos da sociedade, hoje em dia, mostra realmente o distanciamento das classes, níveis socioeconômico do povo brasileiro. Explico. Sabe aquele café coado em equipamento de bar de nome Monarca, que servia café a 2,00?? Hoje tem-se cafeterias, com café gourmet a preços em que uma “xicrinha” custa em média 20,00. Neste caso com estas inovações implicam puxada de preços nas passagens ao simples trabalhador, que paga 30% de seu salário em passagens (hoje muitos acham caro, R$4,40 – 4,70 até 5 ou 7 reais, isso até usando 2 a 4 conduções, alguns trabalhadores). Tão logo o transporte convencional simples estará beirando a 7,50…O Café é nosso, o preço nem tanto. E que esse Ubuser fique só no corredor..

Deixe uma resposta