Imagens de pessoas desaparecidas passam a ser divulgadas nas TVs dos trens do Metrô de São Paulo

Monitores ficam em diferentes partes de cada carro

Ação é uma parceria entre estatal e prefeitura

ADAMO BAZANI

Os monitores que ficam dentro dos trens do Metrô de São Paulo passaram nesta segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021, a exibir na programação da TV Minuto imagens de pessoas desaparecidas na cidade.

Segundo nota da prefeitura de São Paulo, os alertas destacam fotos, nomes e o telefone do serviço municipal de localização.

A iniciativa é uma parceria da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) com o Metrô para aumentar o número de localizações de pessoas na cidade de São Paulo. Somente em 2020, o serviço municipal chegou a encontrar 579 pessoas.

O convênio entre a prefeitura e o Metrô vai durar seis meses e não haverá transferências de recursos entre as gestões municipal e estadual, com cada uma arcando com seu custo para as divulgações.

Nas primeiras semanas a TV Minuto exibirá um vídeo de apresentação de 30 segundos e, na sequência, entram os alertas com as fotos e orientações para entrar em contato.

Serão divulgadas todos os dias pelo menos três imagens e descrições de pessoas desaparecidas nos trens que circulam pelas 55 estações das linhas Azul, Verde e Vermelha do Metrô. As imagens fazem parte do banco de dados da Divisão de Localização Familiar e Desaparecidos, da SMDHC.

“Sabemos do drama que é ter um parente desaparecido. Por isso, nessa parceria com o Metrô, vamos ter a oportunidade de alcançar até quatro milhões de pessoas por dia que passam por esse fundamental meio de transporte e, assim, esperamos proporcionar maiores chances de reencontros”, afirmou a secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto.

Em nota, a prefeitura ainda explica os procedimentos em caso de desaparecimento de familiar

Na cidade de São Paulo, a Divisão de Localização Familiar e Desaparecidos está pronta para ajudar, desde o momento em que a família perde o contato com a pessoa desaparecida. “O tempo é um fator importante para a resolução dos casos. Quanto antes procurar ajuda, maiores são as chances de reencontro, especialmente quando se trata de desaparecimento forçado ou involuntário.”, revela o coordenador Darko Hunter, que trabalha há 14 anos na localização de pessoas e acabou incorporando o apelido que quer dizer caçador em inglês. 

De acordo com ele, a família precisa primeiro tentar esgotar todos os meios de contato possíveis, assim que notar alguma anormalidade no padrão de rotina da pessoa e, se ela não estiver onde deveria sem deixar aviso, deve ser registrado um Boletim de Ocorrência imediatamente, na delegacia mais próxima ou pela internet http://www.ssp.sp.gov.br/nbo. Não há necessidade de esperar 24 horas.

Após a abertura do BO, ainda na internet, deve ser preenchido o formulário para registro de dados da pessoa desaparecida, no endereço eletrônico: https://form.jotformz.com/43205675793664

 A partir daí, a divisão entra em cena iniciando uma busca pela rede de informações que conecta vários serviços municipais.

A Divisão de Localização Familiar atende pelo whatsapp (11) 97549-9700, ou e-mail: desaparecidos@prefeitura.sp.br

Também há um Posto Avançado no centro de São Paulo.

Os vídeos também serão exibidos nas redes socais da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania e disponibilizados para os veículos de imprensa interessados.

Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania

Instagram:  @direitoshumanos.sp

Facebook:  @DireitosHumanosECidadaniaSP

YouTube: @DireitosHumanosECidadania

LinkedIn: @DireitosHumanos

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta