VIDEO: ANTT apreende sete ônibus a serviço da Buser na BR-040 em Areal, Rio de Janeiro

Apreensões foram feitas entre a noite de sexta (12) e a madrugada deste sábado (13). Operação apreendeu ainda uma van que trafegava em situação irregular.

ALEXANDRE PELEGI

Em uma operação que começou na noite de sexta-feira, 12, e terminou na madrugada deste sábado, 13 de fevereiro de 2021, uma equipe de fiscalização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) na BR-040, em Areal, estado do Rio de Janeiro, apreendeu oito veículos em mais uma etapa da Operação Pascal 2021.

A equipe de agentes da autarquia federal contou com apoio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em mais uma etapa de combate ao transporte rodoviário interestadual remunerado irregular de passageiros.

Dos oito veículos apreendidos, sete eram ônibus de empresas de turismo e foram flagrados realizando serviço de linha (circuito aberto) contratados pelo aplicativo Buser. O outro veículo era uma van.

A van não possui cadastro na ANTT para realizar viagem interestadual, e mesmo assim fazia viagem com origem em Duque de Caxias (RJ) e destino Belo Horizonte (MG). O veículo estava com o extintor de incêndio vencido no primeiro semestre de 2020, e além disso o motorista não possuía o curso para condução de veículos coletivos de passageiros, situações que colocavam a segurança dos passageiros em risco.

ÔNIBUS POR APLICATIVO

Dos sete ônibus contratados pelo aplicativo de viagens Buser apreendidos na operação, um deles era da empresa de turismo Altibus Turismo e Viagens Eireli, e realizava linha (circuito aberto) de Juiz de Fora (MG) para Cabo Frio (RJ), sem autorização da ANTT. O ônibus estava com o pneu traseiro do lado esquerdo atingindo o TWI (careca) e com o para brisa trincado, colocando em risco a segurança do veículo e dos passageiros.

Outro ônibus, pertencente à empresa de turismo Agence Contact Internacional de Turismo Ltda, também realiza linha (circuito aberto) do Rio de Janeiro (RJ) para Belo Horizonte (MG), a serviço da Buser, mas sem autorização da ANTT. O veículo estava com o para brisa trincado e com o extintor de incêndio vencido desde outubro de 2019.

O terceiro ônibus, da empresa de turismo Gensi Agência de Turismo e Viagem Ltda, fazia linha de Cabo Frio (RJ) para Belo Horizonte (MG). Já o ônibus da empresa de turismo Thiago da Silva Paes Eireli também realizava viagem em circuito aberto de Juiz de Fora (MG) para Cabo Frio (RJ). Os dois veículos não possuíam autorização da ANTT.

Já o ônibus da empresa de turismo Steja Turismo Ltda também realizava linha (circuito aberto) do Rio de Janeiro (RJ) com destino a para Viçosa (MG), sem autorização da ANTT, e trafegava com o para brisa trincado, colocando em risco a segurança do veículo e dos passageiros.

O ônibus da empresa de turismo GIMGG Transp Turistica Ltda, também realizando viagem em circuito aberto de Belo Horizonte (MG) para o Rio de Janeiro (RJ) a serviço da Buser, não possuía como os demais autorização da ANTT.

Por fim, o oitavo ônibus da empresa de turismo Turispall Transportes e Turismo Ltda, que como os demais estava a serviço da empresa de aplicativo de viagens Buser, também fazia viagem em circuito aberto do Rio de Janeiro (RJ) para Juiz de Fora (MG), sem autorização da ANTT, e viajava com o para brisa trincado, em situação de risco para os passageiros.

No total, os agentes retiraram 247 passageiros dos sete ônibus que operavam as viagens em situação irregular.

Os fiscais afirmam que “como tem sido prática irregular constante das empresas de turismo contratados por empresa por aplicativo, elas solicitam licença para fazer Turismo e fazem linha apresentando essa licença com a finalidade de enganar a fiscalização e os usuários que imaginam estar em uma viagem legalizada”.

A fiscalização da ANTT alerta que veículos autorizados para realizar linha embarcam e desembarcam em terminais rodoviários e emitem bilhetes de passagens que são documentos fiscais. “Já veículos que possuem licença para fazer “turismo” não podem embarcar em terminais rodoviários, não podem emitir bilhetes de passagens e viajam com uma licença de viagem com uma lista com os nomes dos passageiros. Portanto empresas que vendem apenas o trecho de ida e possuem lista de passageiros são considerados clandestinos e estão passíveis de apreensão”.

A fiscalização alerta para o perigo de viajar em veículos sem autorização considerados ‘’clandestinos’’, e que ofertas pela internet ou por aplicativos podem ser verificadas na ouvidoria da ANTT se são autorizadas a fazer linha ou apenas possuem uma licença para fazer Turismo.

Para denúncias ou dúvidas se o serviço prestado no momento é realmente legalizado junto à ANTT os usuários podem ser utilizados os canais da Ouvidoria:

Whatsapp (61) 99688-4306; telefone 166 (24 horas); e o e-mail ouvidoria@antt.gov.br

Imagens enviadas pela fiscalização da ANTT:

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Julio Silva disse:

    Todos onibus novos, até Double Deck. Essa ANTT é um bando de desocupados

  2. FLAVIANO DA SILVA disse:

    Então, sou taxista, eu queria ver está energia toda nos veículos de aplicativos, maioria não tem segurança, seguros de passageiros e 60% em mal estado de conservação, não tem autorização de nenhum prefeitura, não tem placa vermelha, aonde está no ctb, mais ainda tenho esperança que um dia irão da qualidade aos usuarios.

Deixe uma resposta