Em caso de greve de BRT, Bilhete Único Carioca vai permitir mais um embarque no prazo de 2h30 sem nova cobrança

Sistema de BRT no Rio de Janeiro está em crise

Regra atual permite dois embarques. Novas paralisações não estão descartadas

ADAMO BAZANI

Como a situação dos trabalhadores dos ônibus do BRT Rio de Janeiro ainda não está definida, sem ainda um acordo sobre redução da jornada e salários, há a possiblidade de mais greves no sistema e, diante disso, a prefeitura decidiu ampliar o uso do Bilhete Único Carioca no sistema de transportes.

O prefeito Eduardo Paes publicou nesta terça-feira, 09 de fevereiro de 2021, o decreto 48506 que aumenta de dois para três embarques com a cobrança de apenas uma tarifa no período de 2h30 pelo Bilhete Único Carioca.

O decreto deixa claro que a possibilidade do uso de três ônibus com uma tarifa em 2h30 é apenas em caso de greve ou paralisação dos funcionários do BRT. Em dias comuns o uso continua limitado a dois coletivos.

Os passageiros só poderão utilizar a integração com três conduções em caso de greve do BRT apenas duas vezes por dia.

No caso de interrupção ou suspensão da operação do sistema Bus Rapid Transit – BRT, em decorrência de greve ou paralisação deflagrada pelos operadores do serviço municipal de transporte coletivo de passageiros por ônibus e/ou seus empregados permitirá ao usuário do Bilhete Único Municipal um segundo transbordo no mesmo intervalo de tempo máximo de duas horas e trinta minutos, compreendido entre a passagem pelo primeiro e o terceiro validadores do(s) modal(is) eleito(s), limitada sua utilização a duas viagens unidirecionais por dia.

O decreto determina que bilhetagem eletrônica seja ajustada para esta operação emergencial.

A responsável pelo gerenciamento do Sistema de Bilhetagem Eletrônica do Município do Rio de Janeiro deverá adotar as medidas de ajustes de sistema necessárias à medida emergencial em tempo hábil, de modo a assegurar que os usuários do Bilhete Único não sejam prejudicados na eventual paralisação operacional do Sistema BRT.

Como mostrou o Diário do Transporte, nesta segunda-feira, 08, os rodoviários do BRT Rio não aceitaram a proposta do MPT (Ministério Público do Trabalho) de realizar um rodízio de até dez dias sem remuneração durante o período de 30 dias.

O esquema foi proposto durante audiência no TRT (Tribunal Regional do Trabalho).

Em entrevista ao Diário do Transporte, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário do Estado do Rio de Janeiro, Sebastião José da Silva, afirmou que os trabalhadores já fizeram uma contraproposta.

“Essa proposta não foi acatada pelos trabalhadores e eles fizeram uma contraproposta para o BRT, de que admitimos um rodízio de apenas cinco dias com a contrapartida no vale-alimentação, que hoje é de R$ 360 e durante o período de redução de jornada ficaria com valor de R$ 720”, disse.

“Essa contra proposta está sendo encaminhada para o BRT e será informada no processo do Tribunal sobre o resultado da assembleia. Foi isso que ficou deliberado hoje e vamos aguardar pelas próximas 24, 72 horas o posicionamento do BRT e como o TRT vai conduzir esse processo daqui para frente”, afirmou também.

Ouça neste link:

https://diariodotransporte.com.br/2021/02/08/audio-rodoviarios-do-brt-rio-nao-aceitam-rodizio-de-dez-dias-proposto-pelo-mpt/

Veja o decreto na íntegra:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta