Ônibus é incendiado por bandidos em Duque de Caxias (RJ)

Empresa Santo Antônio atua na Baixada - A FOTO É MERAMENTE ILUSTRATIVA!

De acordo com Fetranspor, com este veículo, já são 222 coletivos destruídos por criminosos no Estado

ADAMO BAZANI

Um ônibus da empresa Transportes Santo Antônio foi atacado e incendiado por bandidos em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, nesta sexta-feira, 29 de janeiro de 2021.

O veículo que fazia a linha Estrada da Pedrinha x Sarapuí foi parado pelo bando na Avenida Presidente Kennedy, no bairro Corte 8, próximo à favela da Mangueirinha.

De acordo com as primeiras informações, os criminosos inicialmente jogaram pedras contra o ônibus para o veículo parar.

Os passageiros e o motorista foram obrigados a descer pelos marginais que atearam fogo no ônibus em seguida.

Apesar da brutalidade do ataque, ninguém se feriu.

O bando fugiu em seguida.

A Polícia Militar diz que apura as causas do crime.

Em nota, a Fetranspor, que representa as empresas, diz que com este ataque, desde 2016, o número de ônibus destruído por bandidos chega a 222.

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor) lamenta mais um ataque a ônibus na Baixada Fluminense. Desta vez, o incêndio criminoso aconteceu com um veículo da empresa Transportes Santo Antônio, que fazia o trajeto Estrada da Pedrinha x Sarapuí.

Um grupo jogou pedras no coletivo e forçou a sua parada na Avenida Presidente Kennedy, no bairro Corte 8, próximo à favela da Mangueirinha. Os passageiros foram obrigados a desembarcar, e o veículo foi incendiado em seguida. Não houve feridos.

Este é 62º ônibus incendiado de empresas filiadas ao Setransduc, sindicato que atua na região de Duque de Caxias e Magé, desde 2016. O quarto no curto espaço de tempo de novembro do ano passado até hoje (29/01). Com isso, sobe para 222 o número de ônibus incendiados no Estado do Rio desde 2016. Destes, mais de 40% eram climatizados.

Tais ações impactam diretamente a população, que sofre com a redução da oferta de transportes. Um ônibus incendiado deixa de transportar cerca de 70 mil passageiros em seis meses, tempo que seria necessário para a recomposição da frota. É importante lembrar, no entanto, que a inexistência de seguro para este tipo de sinistro e a crise econômica do setor, que tem feito as empresas perderem a capacidade de investimentos, tornaram completamente inviável a reposição de ônibus incendiados. 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Se lá , já são 40* graus, imaginem queimar onibus…Por outro lado não se há a razão para isto, parece que fazer isto chama mais atenção de todos,,,alguns queimam quando há mortes, assassinatos,,, Mas o que um coletivo tem a ver com mortes…se ele transporta vidas???

  2. Luís Cláudio Corrêa dos Santos Cláudio disse:

    Favela da Mangueirinha Santuário Corte 8 Lagoinha Barro Vermelho Jerusalém todas tem que ter ocupação severa e mortal das forças de segurança do Estado do Rio de Janeiro.

  3. Macairo disse:

    Essa é a situação do Brasil. Bandidos em toda a esfera da nação. Tomaram conta estamos a mercê dessa corja , não temos justiça e quando se manifesta é a favor dos vagabundos.

  4. DIEGO disse:

    Ai depois reclamam que diminui a quantidade de ônibus, aumenta valor da passagem. Entre os que reclamam de tudo, estão também os colega e vizinhos do povo que cometeu esses atos.

  5. Fernando Pacheco disse:

    Quem perde e os pobres pois eles e quem anda de ônibus , aliás as famílias dos bandidos pois roubam e só andam na miséria , agora deixa sem ônibus .

Deixe uma resposta para Fernando Pacheco Cancelar resposta