História

Rodoviária de Santos completa meio século e é tema de projeto cultural

Rodoviária foi inaugurada em 31 de dezembro de 1969. Foto: Divulgação

Fundo de Assistência à Cultura da prefeitura pede contribuição de pessoas de toda parte do Brasil e do mundo, através de relatos, fotos e vídeos

ALEXANDRE PELEGI

A Estação Rodoviária de Santos, cidade do litoral paulista, acaba de completar 50 anos de operação.

Para comemorar a efeméride foi criado um projeto cultural, que acabou contemplado pelo 8º edital do Fundo de Assistência à Cultura (Facult), da Prefeitura municipal.

Denominado “Rodoviária de Santos, 50 anos de histórias”, o projeto prevê expressões em múltiplas linguagens – oral, visual e audiovisual (por meio de um documentário).

O objetivo é resgatar e registrar alguns dos fatos, episódios, sentimentos e memórias que ocorreram na longeva estação, inaugurada em 31 de dezembro de 1969.

O projeto cultural começa a ser desenvolvido agora em janeiro de 2021, e tem previsão de conclusão em julho deste ano.

Para contribuir para a construção e resgate dessa história, o grupo de realizadores solicita o envio de relatos, depoimentos, comentários ou mesmo imagens sobre fatos, causos e memórias de pessoas que estejam em qualquer parte do Brasil e do mundo e que, em algum momento de suas vidas, tiveram (ou têm) alguma história relacionada à Estação Rodoviária de Santos.

O envio pode ser feito pelo whatsapp 13-92000-2399 ou pelo e-mail facult_rodoviaria@protonmail.com.

A RODOVIÁRIA DE SANTOS

Inaugurada em 31 de dezembro de 1969, a Rodoviária de Santos, além de ser ponto de convergência de histórias de todos os gêneros, é também protagonista no processo de desenvolvimento da cidade.

Foi por ela que se deram a chegada e partida, por ônibus, de visitantes e turistas vindos da Grande São Paulo, interior do Estado e outras regiões do Brasil. À época da inauguração, o modal rodoviário começava a tomar o lugar do ferroviário como principal meio de transporte de passageiros no país.

Na virada dos anos 1970 para 1980, ali foi instalada a segunda emissora de televisão da história de Santos, a TV Litoral, conhecida justamente como a “TV da Rodoviária”.

Desde 1996 a Estação passou pela primeira grande reforma da história.

A partir desse momento, o terminal passou a se chamar “Estação Rodoviária Jaime Rodrigues Estrella Júnior (Cebola)”, homenagem ao militante vítima da ditadura civil-militar (1964-1985).

Em 2020, o terminal foi completamente remodelado e modernizado.

SOBRE O PROJETO

O projeto tem como proponente Wagner de Alcântara Aragão, jornalista e professor; pauta e pré-produção de Lindrielli Rocha, graduada em Marketing e com experiência em projetos em cultura, comunicação e educação; curadoria de imagens e de rede social de Thayná Santos, jornalista; produção e edição audiovisual de Nicole Caroti Zadorestki, com formação em produção audiovisual; e artes gráficas de Pedro Otávio Cardamone Pinto Cordeiro, que é designer.

Na linguagem oral, o projeto contempla a verbalização das histórias e memórias das pessoas. Além do envio dos relatos a qualquer tempo, está prevista para fevereiro uma roda de conversa, de forma remota, por causa da pandemia. Na visual, está sendo constituída uma exposição digital, na rede social Instagram, no perfil @rodoviaria_historias (http://www.instagram.com/rodoviaria_historias). Dos relatos, depoimentos e imagens recebidas, e ainda entrevistas com alguns personagens, será produzido um documentário, a ser lançado em julho.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta