Academia Francesa de Medicina recomenda não falar nem telefonar no transporte público

Recomendação de médicos franceses é não tirar a máscara em hipótese quando no transporte público.

França tem cerca de 73 mil mortes confirmadas pelo coronavírus

ALEXANDRE PELEGI

Com agências internacionais

Os médicos na França têm uma nova recomendação para combater a disseminação do coronavírus: parar de falar enquanto viaja no transporte público, seja com outra pessoa, seja por celular.

Uma diretriz da Academia Francesa de Medicina diz que as pessoas devem “evitar falar ou fazer ligações” no metrô, ônibus e outros locais públicos onde o distanciamento social não seja possível.

As máscaras são necessárias no país desde maio de 2020, mas os usuários dos transportes costumam afrouxá-las ou removê-las para falar ao telefone.

Seguindo a prescrição do Conselho Superior de Saúde Pública e como já fizeram outros países como Alemanha e Áustria, o Governo pede aos franceses que abandonem as máscaras artesanais por terem menor capacidade de filtragem que as cirúrgicas.

Já a Academia vê de forma diferente. “O fato de todos usarem máscara é muito mais importante do que sua qualidade, pois o que esperamos dela é evitar o efeito de projeção”, ressaltando que o importante é que seja usada corretamente, cobrindo nariz e boca.

Outros especialistas franceses estão pedindo medidas mais drásticas, o que incluiria um terceiro lockdown nacional.

Os hospitais franceses têm hoje mais pacientes com Covid-19 do que em outubro, quando o presidente Emmanuel Macron impôs um segundo lockdown. Pacientes com o vírus ocupam mais da metade dos leitos de terapia intensiva do país.

As infecções aumentaram gradualmente neste mês, para mais de 20 mil casos por dia. Por este motivo, a França tem o toque de recolher mais longo da Europa, das 18h às 6h, além disso restaurantes e locais turísticos estão fechados desde outubro.

O governo até agora tentou evitar um novo lockdown, mesmo com o país alcançando a marca de 72.647 mortes confirmadas pelo coronavírus.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta