CMTC congela tarifa de ônibus em Goiânia e Região em 2021

Ônibus urbano em Goiânia

De acordo com autarquia, em dez dias será apresentada uma nova versão do plano emergencial para os transportes na Grande Goiânia

ADAMO BAZANI

O presidente da CMTC (Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos) de Goiânia e região metropolitana, Murilo Guimarães Ulhôa, disse na tarde desta segunda-feira, 11 de janeiro de 2021, que não haverá reajuste da tarifa de ônibus do sistema neste ano.

“Por determinação do prefeito [em exercício] Rogério Cruz a pauta reajuste não entrará em debate pelos próximos 12 meses” – confirmando que até o fim de dezembro o valor continuará sendo de R$ 4,30.

A declaração foi feita após reunião entre a CMTC, secretarias municipais e do Estado de Goiás, procuradorias e representantes das empresas.

Nos próximos dez dias, deve ser apresentada uma proposta com adequações ao plano emergencial do governo estadual para o transporte público.

O plano foi elaborado em 2020 por causa dos efeitos da pandemia covid-19.

“Um estudo será feito sobre a participação de Goiânia no plano apresentado pelo governo estadual com atenção ao mês de abril do ano passado até hoje, período mais crítico da pandemia e que afetou o serviço. O que precisamos observar é a participação dos outros 16 municípios da RMTC que fazem parte do plano emergencial e que nós precisamos estudar uma forma de participação do Estado porque esses municípios representam 23% no plano”, disse, em nota, Ulhôa.

Além do plano emergencial, serão realizados estudos para a elaboração de um projeto de remodelagem do serviço de transporte com soluções para a capital, Aparecida de Goiânia e municípios. “Estamos definindo as soluções e essa equipe ficou a responsável por apresentar as ações que podem ser desenvolvidas no sistema visando solução”, afirmou Ulhôa na mesma nota.

A reunião envolveu titulares da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC); secretaria de Finanças (Sefin); secretaria de Governo (Segov); secretaria de Mobilidade (SM); procuradoria Geral do Município (PGM); controladoria Geral do Município; secretaria de Prioridades Estratégicas e representante do sindicato das Empresas de Transportes (SET).

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta