Julgamento de dissídio define greve no transporte coletivo do Grande Recife

Rodoviários suspenderam greve no dia 23 para esperar decisão de hoje

ALEXANDRE PELEGI

Os rodoviários do Grande Recife aguardam o julgamento do dissídio coletivo dos rodoviários da Região Metropolitana do Recife pelo Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região.

O relator da audiência, que ocorrerá de forma remota, será o desembargador Milton Gouveia

A reunião tinha agenda para iniciar nesta segunda-feira, 28 de dezembro de 2020, às 10h.

Como mostrou o Diário do Transporte, na quarta-feira (23) terminou sem acordo a audiência de conciliação entre os donos de empresas de ônibus e os representantes dos rodoviários.

Realizada no Tribunal Regional do Trabalho, o encontro buscava negociar o fim da greve, que tinha iniciado no dia 22 de dezembro.

Apesar de não haver consenso entre as partes, os rodoviários decidiram suspender a greve logo após o encontro.

O Ministério Público do Trabalho (MPT), em parecer assinado pela procuradora do Trabalho Lorena Pessoa Bravo, considerou não haver motivos para “se declarar abusividade da greve deflagrada em 22 de dezembro de 2020“.

Em nota após a decisão de suspender a greve até esta segunda-feira (28), o Sindicato dos Rodoviários afirmou que tomava a decisão “em respeito à população, coisa que nem o governo e nem a patronal têm”.

“Estamos suspendendo a greve da categoria até o dia 28 de dezembro, quando será votado nosso dissídio. Os rodoviários foram obrigados a entrar em greve no último dia 22, pois o acordo estabelecido entre patrões, governo e trabalhadores, no dia 23 de novembro, foi descumprido. Na audiência com o TRT foi combinado o retorno dos cobradores através de uma portaria que revogava a autorização da retirada destes profissionais, que acabou sendo suspensa. Já os patrões descumpriram a estabilidade no emprego por 06 meses e a reposição da inflação no salário e ticket. O Sindicato dos Rodoviários orienta a categoria a acompanhar as redes da entidade com os próximos passos do movimento”.

A depender da decisão do TRT, a greve poderá ser retomada ou interrompida, o que dependerá também do Sindicato patronal.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta