Governador do Amazonas volta atrás e autoriza reabertura do comércio não essencial

Protestos contra o fechamento do comércio explodiram na noite de sábado (26) em Manaus, bloqueando ruas e forçando recuo do governo. Foto: Reprodução

Para conter disseminação de Covid-19, decreto proibia funcionamento de estabelecimentos comerciais de 26 de dezembro até 10 de janeiro de 2021

ALEXANDRE PELEGI

Na noite desse sábado, 26 de dezembro de 2020, o governador do Amazonas, Wilson Lima, voltou atrás e decidiu autorizar a reabertura do comércio não essencial a partir de segunda-feira (28).

Em decreto publicado no dia 23 de dezembro, com medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo coronavírus, o artigo 1º decidiu:

Art. 1.º Em virtude da necessidade de estabelecer novas medidas de enfrentamento à pandemia da COVID-19, fica suspenso, no período de 26 de dezembro de 2020 a 10 de janeiro de 2021, o funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais e serviços não essenciais e destinados à recreação e lazer

A decisão de recuar na medida ocorreu após fortes protestos na capital Manaus, que explodiram na noite desse sábado (26).

Em reunião com representantes do comércio e parlamentares no final da noite, o governador anunciou a decisão e informou que os detalhes da flexibilização das medidas serão definidos neste domingo, 27 de dezembro de 2020, em novo decreto a ser publicado no Diário Oficial.

No encontro, ficou definido ainda que empresários e comerciantes auxiliarão na fiscalização do protocolo de medidas de segurança contra a Covid-19, fornecendo equipamentos e ajudando o governo em comerciais na TV para divulgação das normas de segurança.

O decreto, segundo Wilson Lima, começa a valer a partir de segunda-feira e segue até o dia 11 de janeiro, mas está restrito a resultados de índices da Saúde.

Em caso do índice de ocupação de leitos de UTI ficar abaixo de 85%, há possibilidade de aumentar a flexibilização das medidas. Caso contrário, novas decisões e restrições serão adotadas em conjunto com empresários e comerciantes.

O governo do Amazonas informou que o Hospital Delphina Aziz, referência no tratamento da Covid-19, opera com quase 100% dos leitos ocupados.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta