OPINIÃO – Uma história de Natal: será que o nosso problema é não termos neve no Brasil?

Terminal Pinheiros

CLAUDIO DE SENNA FREDERICO

Nos anos 70 a cidade de Nova York passou por uma das piores crises de sua história. Como seria de se esperar, o já naquela época histórico metrô da cidade, que sempre foi fortemente subsidiado, ficou em péssimo estado de manutenção e operação e sofria críticas que chegavam a quase sugerir seu fechamento. Numa iniciativa pouco usual, pediram uma visita técnica crítica ao metrô de Londres para que ao final preparasse um relatório apontando as maiores falhas de Nova York e o que estavam fazendo errado. Ao final, e apesar da situação precária em que de fato a falta de recursos o tinha deixado, o relatório apontou como seu maior problema estar localizado na cidade errada. Uma cidade que tão pouco o apreciava, que não exigia os recursos necessários para sua manutenção e modernização. Disseram mais: que Londres se sentiria orgulhosa se pudesse contar com a malha que existia em Nova York e a cidade jamais deixaria que ficasse no estado em que estava.

Ao ler hoje uma pesquisa realizada no Canadá pela EKOS Research e reportada no Toronto Star no último dia 14 de dezembro passado, passei a me perguntar se nosso transporte público aqui no Brasil também não estaria na mesma situação, procurando operar no país errado.

Na pesquisa de lá, 83% dos canadenses acreditam que os governos (Federal, Estadual e Municipal) têm a responsabilidade de prover transporte público seguro, confiável e econômico. Esse apoio, que chega a 90%, pouco varia entre todas as idades e inclusive entre os que utilizam o carro para suas viagens (81%), e cobre todo o território do país mesmo nas regiões com o maior índice de motorização. Em plena pandemia em que os recursos federais são demandados para cobrir toda sorte de emergência, 73% querem que o governo federal aloque recursos para ajudar os transportes públicos desde já. As pessoas de todos os níveis de renda acreditam na essencialidade do serviço e exigem o seu financiamento com aceitação que vai de 82% na faixa de menor renda e que só cai para 79% nas de maior renda.

Para apreciar a importância desses números é preciso fazer algumas comparações entre os dois países.

O número de carros por 1000 habitantes no Canadá é de 685, enquanto no Brasil é de 364. Seus proprietários têm renda média aproximadamente 7 vezes a nossa, portanto suficiente para usar esses carros e não precisar de transporte público.

Como no Brasil, a utilização do transporte público teve uma queda enorme por causa da pandemia e enfrenta dificuldades para se manter em funcionamento. Mas a população, haja visto os resultados da pesquisa acima, não virou as costas a esse patrimônio. Mesmo neste momento utilizando menos os coletivos, continuam querendo que os governos forneçam meios generosos para que possam cumprir sua contribuição às cidades e ao meio ambiente e estejam prontos a recebê-los na volta.

Como Nova York nos idos de 70 do século passado, o Brasil conta com um sistema de transporte público que, se possui falhas que com recursos devem ser corrigidas, é a inveja de muitos países pelo tamanho, institucionalização e industrialização que nos oferece. Confesso que fiquei com muita inveja ao ler essa pesquisa. Será que vamos algum dia contar com o apoio necessário para fugirmos da armadilha do transporte público ser o único serviço essencial que precisa ser pago pelo seu usuário? O que não dá, com certeza, e nem queremos, é termos que esperar ter neve e tampouco termos que nos mudar para o Canadá. Feliz Natal aqui nos trópicos mesmo!

Cláudio de Senna Frederico – engenheiro, consultor e vice-presidente da ANTP

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. JOSÉ LUIZ VILLAR COEDO disse:

    O Transporte Público de São Paulo – SP e da Região Metropolitana é um LIXO! SÓ se salva a METRA – CORREDOR METROP. SÃO MATEUS / DIADEMA / BERRINI , DA EMTU! Fora isso … TÁ uma porcaria! E pra piorar os DIREITOS ADQUIRIDOS DOS IDOSOS E IDOSAS DE 60 A 64 ANOS SÃO ROUBADOS PELO PREFEITO ATUAL DE SP/SP E PELO GIVERNADOR COMUNISTA CAVIAR! E O PRESIDENTE FASCISTA E SEM EMPATIA E QUE SO PENSA NO UMBIGO DELE E DE SEUS FILHOS E AMIGOS MILICIANOS – como o.novo cadeeiro Marcelo Crivella… sobrinho do dono da IURD E DA RECORD! Lavador de grana! – QUER QUE NOS NOS FERREMOS MESMO! Ah… ele tambem não gosta de pobres!

  2. JOSÉ LUIZ VILLAR COEDO disse:

    Falam coisas bem feias do LULADRAO… mas agem até pior! Lula é ladrão… E dos grabdes mesmo! mas não me lembro de ele ter mexido com idosos e nem com deficientes, doentes … Não vi o Haddad mexer com direitos de idosos, doentes e deficientes e etc. … MUITO SE ENGANA QUEM ACHA QUE SO O.LULADRAO E A PTRALHADA SAO BANDIDOS! E QUE SO A GLOBO É DO DIABO! QUANTA INOCÊNCIA ! BOLSONARO, DORIA, BRUNO COVAS … EDIR MACEDO E SUA RECORD E SUA IURD…MISERÁVEIS!

  3. laurindo junqueira disse:

    Na década de 1980, dois diretores do mesmo Metrô de NY visitaram o Metrô de SP. Vieram com o “papa” mundial dos especialistas em transporte público coletivo (Vukan Vuchic). Eles queriam renovar o seu metrô e vieram a SP em busca de ajuda. Perguntei a eles por que razão haviam nos escolhido. E um deles respondeu: porque vocês são um dos melhores metrôs do mundo. E porque a população brasileira é latina, como a maioria dos nossos usuários em NY. Saíram daqui abismados com a nossa qualidade.

Deixe uma resposta