HISTÓRIA da LEBLON EM MAUÁ – Vídeos: O Expresso e o Terminal do Zaíra; treinamento e a patinada do Luzitano

Ônibus articulados eram bem recebidos pela população

Serviço foi implantado com ônibus articulados quando Leblon operava linhas na cidade

ADAMO BAZANI

Entre 2010 e 2014, a cidade de Mauá, uma das mais importantes da Grande São Paulo, no ABC Paulista, teve duas empresas de ônibus: a Viação Cidade de Mauá, de Baltazar José de Sousa, no lote 01 de linhas, e a Leblon Transporte, da família Isaak, do Paraná.

De acordo com pesquisas de qualidade da própria prefeitura de Mauá, a Leblon, que trouxe o conceito do sistema de Curitiba e região à cidade do ABC, chegou a ter 95% de aprovação do passageiro, com a operação de ônibus zero quilômetro (sendo 11 articulados – depois vieram mais dois usados), ampliação da oferta e pontualidade.

Mas em 2013, uma decisão controversa da gestão do prefeito Donisete Braga e do secretário de Mobilidade Urbana de Mauá, Paulo Eugênio, retirou a Leblon com base num argumento de que teria havido por parte das concessionárias uma invasão ao sistema de bilhetagem eletrônica. A argumentação não foi consenso sequer dentro da prefeitura e a então corregedora do município, Thais de Almeida Miana, recomendou em 27 de junho de 2013 uma melhor investigação antes de qualquer atitude, o que não foi acatado por Donisete Braga que continuou o processo de descredenciamento. O caso ainda está na Justiça (veja abaixo)

Atualmente, o serviço é prestado por uma empresa em toda a cidade, a Suzantur, que começou as atividades com contrato emergencial e depois foi declarada vencedora numa licitação ainda na gestão Donisete Braga.

A entrada do novo sistema de transportes representou uma remodelação das linhas e a criação ou expansão de serviços como a Linha 80 – Expresso, chamada de Expresso Zaíra.

E no dia 26 de setembro de 2013, a empresa Leblon, que foi a primeira na cidade a investir em redes sociais, trazia um comunicado em seu Facebook sobre a ampliação do Expresso Zaíra. Meses depois, o então prefeito pararia as atividades da empesa.

Relembre o comunicado da época:

Linha “Expresso” do Zaíra tem atendimento ampliado

Na parte da tarde, ônibus vão atender mais dois pontos para desembarque. Linha contará com ônibus articulados

A partir desta terça-feira, dia 1º de outubro de 2013, a Linha 80 – Expresso terá os serviços ampliados.

Na parte da tarde, entre as 15h15 e as 20h30, os ônibus que seguem do Terminal Central de Mauá para o Zaíra farão três paradas, sendo duas novas:

– Terminal de Integração do Zaíra

– Avenida Presidente Castelo Branco, 2368 (referência rua da feira)

– Avenida Presidente Castelo Branco, 2822 (referência Rua Eugênio Negri – padaria Dallas)

O coordenador de tráfego da Leblon em Mauá, Wilson Barbosa, diz que com a mudança, mais pessoas devem ser beneficiadas.

“Os passageiros vão precisar se deslocar menos a pé até seus pontos de destino, o que significa comodidade, e os intervalos na prática serão reduzidos para uma quantidade maior de pessoas. A Linha Expresso tem intervalos de 10 em 10 minutos. A Linha Zaíra 4, que atende praticamente o mesmo trajeto também tem intervalos de cerca de 10 minutos neste horário. Na prática, então, o passageiro terá a disposição ônibus de 5 em 5 minutos” – disse Wilson Barbosa.

Além disso, a oferta de lugares vai ser ampliada, já que os atuais ônibus convencionais serão substituídos por veículos articulados

RETIRADA DE EMPRESA AINDA CAUSA ESTRANHAMENTO:

Sete anos depois, a retirada da Leblon Transporte ainda causa estranhamento por parte da população de Mauá pelo fato de os argumentos da prefeitura na época sobre a suposta invasão ao sistema de bilhetagem eletrônica serem alvos de contestações e as provas apresentadas pela gestão na época não serem contundentes do ponto de vista jurídico.

A Leblon quebrou um monopólio que era ligado a empresários de ônibus que atuam no ABC desde os anos de 1980, provenientes de Minas Gerais. Era o chamando informalmente de “Grupo dos Mineiros”.

Ao longo da disputa para a retirada da Leblon, surgiu até uma empresa chamada de Estrela de Mauá, que foi fundada por Baltazar e repentinamente começou a operar no mesmo lote da Leblon sob a direção de um executivo que nunca tinha tido experiência com ônibus. A Estrela de Mauá foi tirada por ordem judicial.

Como mostrou a reportagem, assim,

2010 e 2014, operavam duas empresas: a VCM – Viação Cidade de Mauá, de Baltazar José de Sousa, e a Leblon Transporte, da família Isaak, do Paraná.

Durante a gestão do ex-prefeito Donisete Braga, ambas as empresas foram descredenciadas por supostas consultas não autorizadas pela prefeitura do sistema de bilhetagem eletrônica. Não foram comprovadas fraudes e a então corregedora do município, Thais de Almeida Miana, recomendou uma melhor investigação antes de qualquer atitude, o que não foi acatado por Donisete Braga que continuou o processo de descredenciamento. O caso ainda está na Justiça.

A Leblon Transporte chegou a ter 95% de aprovação dos passageiros de acordo com uma pesquisa de 2012 da própria prefeitura.

INFRAESTRUTURA: 

A empresa, assim como todos os operadores de transportes na cidade, também enfrentou outra dificuldade quando atuou em Mauá: a crônica falta de infraestrutura, com bairros em regiões de difícil acesso, fruto de um crescimento desordenado; vias sem condições de tráfego que se tornam piores em dias de chuva.

Foi o que mostrou a reportagem em 18 de maço de 2013 no vídeo realizado na região do Jardim Luzitano.

Relembre o vídeo:

TERMINAL DO ZAÍRA:

Outro fato que marcou a época foi a inauguração no dia 23 de junho de 2011, do Terminal Tronco-Alimentado do Zaíra, no Jardim Zaíra, em Mauá. O espaço com o tempo se tornou pequeno para a demanda, mas foi uma tentativa de racionalizar o sistema de linhas da cidade.

Para este terminal chegavam três linhas alimentadoras (Zaíra 3, 5 e 6) e partia uma linha troncal e outra linha expressa (do local até o Terminal Central, sem parar em pontos).

Veja vídeo da reportagem na época:

TREINAMENTOS:

Os treinamentos que a empresa realizava para os motoristas e demais funcionários também até então nunca tinham sido vistos no sistema de transportes de Mauá.

Noções de primeiros socorros, cidadania, atendimento ao passageiro e direção segura eram alguns dos temas ministrados pelo pessoal da instrução da Leblon ou especialistas convidados.

Em 22 de agosto de 2013, foi realizado um treinamento para qualificação de motoristas de ônibus, com simulações práticas sobre diferentes condições de frenagens. Foram criados vários cenários diferentes para despertar a atenção dos condutores sobre a importância da direção segura. Os motoristas também sentiram na pele o que os passageiros passam quando um ônibus é mal conduzido.

Em uma das simulações, foi demonstrada a diferença de espaço de frenagem em pista seca e pista molhada a 50 km/h.

Dois bonecos infláveis simularam pedestres na via. Na pista seca, foi possível parar a tempo.

Já na via molhada, o resultado seria fatal caso em vez de bonecos fossem pedestres ou animais atravessando.

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Carlos Roberto Dutra disse:

    Gostaria muito que a leblon voltasse

Deixe uma resposta