Barretos (SP) abre licitação para transportes públicos

Viasa tem origem em 1948

Lote será único e prazo de concessão é de 20 anos

ADAMO BAZANI

A prefeitura de Barretos, no interior de São Paulo, abriu licitação para determinar a empresa que vai prestar o sistema principal de transportes coletivos urbanos.

Anteriormente, o poder público tinha aberto concorrência para operação apenas dos distritos rurais. Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/05/20/barretos-abre-licitacao-para-transporte-coletivo-de-distritos-rurais/

Para o sistema de linhas urbanas, a concorrência prevê uma concessão de 240 meses (20 anos) e o principal critério é o de menor preço da tarifa combinado com a maior outorga para determinar a empresa vencedora.

O projeto básico do sistema apresentado em audiência pública prevê uma frota de 28 ônibus para 25 linhas e ainda mais quatro coletivos de reserva.

Todos os ônibus devem ser acessíveis para pessoas com deficiência e a idade média da frota deve ser de até sete anos. Os ônibus devem ser licenciados em Barretos.

A empresa que operar o sistema deve realizar investimentos mínimos de R$ 6,47 milhões (R$ 6.470.000,00), incluindo o valor da outorga mínima de R$ 320 mil que deve ser apresentada na proposta.

A data de entrega dos envelopes das participantes foi marcada para 23 de dezembro de 2020, de acordo com publicação do Diário Oficial do Estado desta sexta-feira (20)

De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a população estimada de Barretos é de 122 mil habitantes.  O território é de 1.566,161 km²  com 16% de urbanização das vias púbicas.

Atualmente os serviços são prestados pela empresa Viasa/Sarri, cuja origem é de 1948, quando o fundador Hermantino Sarri comprou dois ônibus e passou a fazer duas linhas: Barretos/Frigorífico e Barretos/Uberaba. O primeiro nome da companhia era Empresa de Ônibus Irmãos Sarri, segundo o portal da viação.

Em 1961, se tornou a Viasa – Viação Sarri Ltda

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta