BYD e Marcopolo concluem o primeiro ônibus 100% elétrico de 22 metros do País para São José dos Campos (SP)

Sistema de VLP promete modernizar transportes na cidade e expectativa é que o primeiro trecho comece a operar em outubro de 2021. Veículo parte para homologação

ADAMO BAZANI

A fabricante de ônibus elétricos BYD, de Campinas (SP), e a encarroçadora Marcopolo, de Caxias do Sul (RS), informaram nesta sexta-feira, 13 de novembro de 2020, que concluíram nesta semana o primeiro ônibus 100% elétrico com baterias com 22 metros de comprimento do País.

O veículo vai circular pelo sistema de VLP (Veículo Leve sobre Pneus) de São José dos Campos, no interior paulista, que terá 12 ônibus deste tipo, mas a estimativa é de outros sistemas optarem pelo modelo.

O nome comercial da carroceria é Attivi Express.

O coletivo segue agora para homologação e, quando o processo for concluído, será iniciada a produção em série dos veículos.

Segundo as fabricantes, “o modelo BYD 11B piso baixo possui 22 metros de comprimento, baterias de fosfato ferro lítio (LifePO4), com autonomia de até 250Km (Sort 1) com uma carga completa. A capacidade de passageiros varia de acordo com a função da carroceria, mas este primeiro modelo tem capacidade para 168 passageiros, além dos espaços para cadeirantes. Os veículos terão sistema de biossegurança, com itens que reduzem o risco de contaminação pela Covid-19, além de outras tecnologias.”

Em nota, diretor de Operações da BYD Brasil, Marcos Jardim, destacou as vantagens dos corredores expressos verdes com ônibus elétricos.

“Além de não poluentes, as viagens a bordo de um ônibus elétrico são silenciosas, com maior estabilidade e segurança para os usuários. Por outro lado, os motoristas também trabalham com muito mais conforto ao dirigir em um carro automático e com diversas tecnologias que auxiliam no guiar”.

Num grupo de rede social, foi publicado um vídeo

https://www.facebook.com/groups/137802056363402/permalink/2167003130109941/

CARACTERÍSTICAS:

Na nota, a BYD informa algumas das características do modelo:

Os ônibus articulados têm quatro motores ligados aos eixos, com potência máxima de 201 CV cada e potência nominal de 148cv cada motor. Os ônibus terão tempo de recarga média de até 3 horas (de 0% a 100%). O chassi possui coluna de direção regulável, regulagem de altura do chassi, ajoelhamento bilateral, sistema antichamas, tacógrafo digital, rodas de alumínio e suspensão pneumática integral.

Ficha técnica do VLP

–  Primeiro chassi articulado 100% elétrico do fabricado no Brasil

– Autonomia de 250km com baterias de fopsfato de ferro lítio (LifePO4)

– Tempo de recarga média de 3 horas (0% a 100%)

– 4 motores ligados diretamente aos eixos, com potência máxima de 804CV

– Suspensão pneumática integral com ajoelhamento bilateral

– sistema antichamas

– Design moderno, arrojado e atraente com faróis em full led

– Comprimento de 22m; Largura 2,6m; Altura 3,7m

– Capacidade: 60 passageiros sentados + 108 passageiros em pé + espaço para cadeirantes totalmente acessível

– Poltronas estofadas, com encosto de cabeça e entrada USB

– Portas pantográficas com sistema antiesmagamento

– 6 câmeras de alta definição, duas delas com infravermelho, em substituição aos retrovisores externos e internos

– 2 monitores de 15,6” instalados no teto, com rádio e alto-falantes para entretenimento e geolocalização, e disponibilização de Wi-fi a bordo

– Ar-condicionado com renovação completa de ar a cada 3min (conceito aeronáutico)

Tecnologia BioSafe

– Sistema UV-C de desinfecção do ar-condicionado

– Acabamentos com aditivos antimicrobianos nas superfícies de toque

– Estofamentos com aditivos antimicrobianos

Representantes das fabricantes em pátio da Marcopolo

CORREDOR VERDE DE VLP:

O corredor Linha Verde, considerado a principal obra de mobilidade da cidade, terá numa primeira etapa, 14,5 quilômetros, e vai ligar as regiões sul e leste, consideradas as mais populosas, passando pelo centro da cidade.

Os ônibus articulados terão quatro motores ligados aos eixos, com potência máxima de 201 cv cada e potência nominal de 148 cv cada motor. Os ônibus terão tempo de recarga média de até três horas (de 0% a 100).

O chassi possui coluna de direção regulável, regulagem de altura do chassi, ajoelhamento bilateral, sistema antichamas, tacógrafo digital, rodas de alumínio e suspensão pneumática integral.

Como mostrou o Diário do Transporte em 29 de abril, a prefeitura assinou o contrato de fornecimento dos veículos para o sistema. Na ocasião, o poder público havia informado que os 12 veículos curtiram R$ 34,732 milhões, sendo que R$ 9,2 milhões provenientes da outorga do serviço de concessão da zona azul.

No mesmo dia, a prefeitura também assinou contrato com o Consórcio Projeto Linha Verde, formado pelas empresas Compec Galasso e Geosonda, que serão responsáveis pelas obras da primeira fase do projeto, que terá início na Estrada do Imperador (região sul) até o Terminal Intermunicipal (região central).

O contrato tem valor de R$ 55,832 milhões, sendo R$ 30 milhões de aporte do governo estadual, segundo a prefeitura.

O sistema será classificado como TRM (Transporte Rápido de Massa) e vai contemplar um “eixo sustentável” de 75 mil metros quadrados que e inclui, além do corredor expresso para os ônibus, quatro praças ao longo do trajeto.

Das áreas remanescentes, 5% serão destinadas à habitação de interesse social, beneficiando quem mais precisa, segundo a prefeitura.

A administração de São José dos Campo promete a criação de um sistema integrado pelo qual o passageiro use o VLP e os demais ônibus pagando uma tarifa única por sentido.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Só deixou de citar o painel do console do motorista..na ficha técnica….terá micro tela, monitor??

  2. Rodrigo Zika disse:

    Se SP tivesse prefeitos sérios teríamos corredores com prioridade nesses modelos, vergonha só de pensar nos candidatos atuais que podem ir pro 2 turno.

Deixe uma resposta