ENTREVISTA – ÁUDIO: Tatto promete empresa pública para operar ônibus não poluentes, tarifa a R$ 2 na madrugada e aos domingos

Tatto analisa propostas de sindicato dos vigilantes em agenda de campanha

O candidato à prefeitura de São Paulo disse também estar em seus planos manter empregos de cobradores, ampliação de faixas exclusivas para ônibus e ciclovias. Velocidades das marginais podem ser reduzidas se acidentes crescerem

WILLIAN MOREIRA

Ouça:

Em entrevista exclusiva para o Diário do Transporte na quinta-feira, 22 de outubro de 2020, o candidato à prefeitura de São Paulo, Jilmar Tatto, explicou alguns de seus projetos voltados para o transporte e mobilidade urbana caso seja eleito.

O primeiro ponto apresentado pelo candidato foi uma reversão da medida empregada pela gestão Doria/Covas que diminuiu o tempo para uso da integração do Bilhete Único para duas horas na modalidade vale-transporte, passando a ser de quatro horas como limite.

Tatto também afirmou que aos domingos e feriados, a tarifa de ônibus será de R$ 2. Nos ônibus da madrugada, também o valor passará a R$ 2.

O candidato ainda prometeu a ampliação de faixas de ônibus na cidade, do Passe Livre para estudantes e a criação do Passe Livre do Desempregado.

“Nós vamos continuar fazendo faixas exclusivas de ônibus, vamos voltar as quatro  horas do Bilhete Único que o Doria e Bruno Covas reduziram para duas, nós vamos voltar o passe livre para os estudantes, vamos criar o passe livre para os desempregados; a passagem de ônibus aos domingos, feriados e madrugada vai custar dois reais.”

Jilmar Tatto ao ser questionado sobre a situação dos contratos atuais com as empresas de ônibus, disse vai estudar de forma profunda os contratos firmados para saber como foram feitos, se as concessionárias estão fazendo sua parte e promover adequações para uma operação adaptada a realidade atual da pandemia de Covid-19.

“Evidente que vou estudar com profundidade, verificar primeiro como foram feitos estes contratos, segundo se estes concessionários estão cumprindo o contrato. Então aquilo que assinaram eu quero verificar se estão cumprindo. E terceiro, adequar esses contratos a essa nova realidade em relação a pandemia e a estes benefícios que quero introduzir no sistema de transportes. Então  a grande questão que quero olhar no ponto de vista de investimento, se eles estão investindo como diz a concessão e se está havendo a fiscalização no cumprimento das partidas conforme foi acertado, então evidente que vamos olhar com lupa estes contratos”, disse o candidato.

COBRADORES E EMPRESA PÚBLICA NÃO POLUENTE

A manutenção dos empregos dos cobradores dos coletivos e uma frota de veículos mais limpa fazem parte de seus planos.

Na questão da diminuição dos poluentes, uma empresa pública seria criada para operar o transporte coletivo, com tecnologia que será responsável pela Prefeitura dar o exemplo de ações a favor do meio ambiente e menor emissão de gases tóxicos.

“Vamos manter os cobradores de ônibus no sistema de transporte. E vamos criar uma empresa pública que vai operar o sistema de transporte, altamente tecnológica e não poluente, justamente para São Paulo e a Prefeitura dar o exemplo de nós iniciarmos um processo bastante efetivo de criar ônibus não poluente na cidade”, detalhou Jilmar.

 VELOCIDADES DAS MARGINAIS PODERÃO SER REDUZIDAS

Em sua gestão caso eleito, a velocidade atual das marginais Pinheiros e Tietê  poderá ser alterada para baixo, similar ou igualmente empregadas na gestão de Fernando Haddad, mas para isso será realizado um estudo da quantidade de mortes e acidentes nas duas vias buscando manter a meta da Organização das Nações Unidas (ONU) para um índice mais baixo de fatalidades no transito.

“Vou verificar se diminuiu o numero de acidentes e mortes, se diminuiu não faz sentido mexer na velocidade. Agora se está aumentando as mortes, os acidentes, eu não tenho duvida nenhuma em tomar este tipo de medida, mas tem que ter prudência, tem que estudo, tem que verificar primeiro como é que está. Eu não tenho estes dados porque não há transparência na administração [Bruno Covas] e vamos dar uma olhada. A nossa política é continuar a política de tráfego calmo que significa também aumentar a segurança, evitar acidentes e mortes na cidade de São Paulo. Isto é uma política que a própria ONU (Organização das Nações Unidas) definiu e nós vamos cumprir a meta. Estávamos cumprindo, a atual gestão não está e nós vamos voltar a cumprir essa meta, diminuir o numero de mortes por 100 mil habitantes que na Europa é entorno de duas pessoas por cem mil habitantes ou uma pessoa por cem mil habitantes e aqui deve estar nove, dez, então temos que cumprir essa meta e diminuir a cada ano”, explicou.

MODAIS INDIVIDUAIS DE DESLOCAMENTO RECEBERÃO ATENÇÃO ESPECIAL

Para incentivar o aumento de pessoas adeptas do uso de patinetes, patins, bicicletas e similares, o candidato promete uma grande expansão da rede cicloviária na capital paulista, chegando aos 1,5 mil quilômetros de vias, interligando com as ciclovias já existentes, favorecendo o crescimento destes modais de transporte e ajudando trabalhadores que utilizam bicicletas para trabalho, por exemplo, parceiros de aplicativos de entrega de alimentos. Também é prevista uma política educacional nas escolas, criando melhores usuários destas vias exclusivas.

“Vamos incentivar bastante o uso do transporte ativo, bicicletas, patinetes, patins, por isso vamos ampliar bastante a rede cicloviária na cidade de São Paulo. Nós temos um plano cicloviário que é em cada gestão construir 500 km de ciclovias. Nós cumprimos essa meta. A atual gestão do Bruno Covas não cumpriu, mas nós vamos cumprir de tal maneira que a cidade tenha no mínimo 1,5 mil quilômetros de ciclovias, uma rede muito importante para que os ciclistas possam usar bicicleta e também para reduzir o número de acidentes que tem aumentando bastante e, por isso, é importante principalmente com essa pandemia para evitar contaminação que as pessoas possam usar cada vez mais as bicicletas.  Também está aumentando muito a entrega de mercadorias. A ciclovia não é só para lazer, mas um instrumento de trabalho e ela faz parte dos modais de sistema de transporte, desde bicicletários, construir banheiros, fazer com que tenha aluguel de bicicletas, criar o incentivo ao uso de bicicletas, política de educação nas escolas da necessidade das pessoas usarem bicicletas e a ciclovia, tudo é importante porque da segurança para isto”, concluiu Jilmar Tatto.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. WILLIAM DE JESUS SANTOS disse:

    Quase nenhum candidato fala do transporte em SP, e quando falam querem fazer coisas impossíveis! Passagem a R$2,00? Vão tirar dinheiro da onde pra custear isso? Ninguém faz uma proposta séria, como fazer mais corredores DE VERDADE, rever os contratos das empresas. Empresa publica? Porque não incentivar que as empresas atuais invistam em frota limpa igual a Transwolff está fazendo? Só querem criar mais e mais gastos pra cidade

  2. Alfredo disse:

    Dificil acreditar neste candidato do PT, deve estar com amnésia, foi Haddad que quis acabar com os cobradores, tiraram das antigas lotações, a bancada do partido votou pelo fim desse profissional, tarifa reduzida, mais gratuidades? Vai querer aumentar o IPTU, como sempre fazem, era secretário da Marta, que acabou com os troleibus da regiao de Santo Amaro, deixou onibus novos apodrecendo nos patios, disseram que iria voltar com a CMTC, parem de vender ilusões

Deixe uma resposta