Metrô de SP e CPTM convocam trabalhadores com 60 anos ou mais, que segundo CNS são do grupo de risco da Covid-19, para retornar às atividades

Publicado em: 16 de outubro de 2020

Trens da CPTM na estação Brás. Foto: Diário do Transporte.

Ambas companhias enviaram comunicados aos funcionários na quarta-feira (14), solicitando retorno imediato

WILLIAN MOREIRA

Nesta quarta-feira, 14 de outubro de 2020, as empresas de transporte sobre trilhos na Região Metropolitana de São Paulo, Metrô e CPTM, convocaram trabalhadores com 60 anos ou mais para retornar aos seus postos de trabalho.

Segundo resolução do CNS – Conselho Nacional de Saúde, pessoas com essa faixa etária, mesmo sem comorbidades, são consideradas grupo de risco.

Estes funcionários estavam afastados em razão da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com os boletins internos enviados, as duas companhias convocaram idosos a partir de 60 anos de idade. No caso específico do Metrô de São Paulo, o regime de home office implantado durante a pandemia foi revogado, e substituído pelo Teletrabalho, sendo o gestor de cada área que, mediante justificativa da necessidade do trabalho presencial, chamar os funcionários.

Já a CPTM modificou um pouco esta diretriz, mantendo afastados e com todos direitos trabalhistas assegurados, gestantes e idosos com 70 anos ou mais de idade. Entretanto, aqueles que não façam parte destes dois grupos e não estejam afastados por motivos legais (férias, licença médica, etc.) devem entrar em contato com seu gestor responsável e retornar ao trabalho imediatamente, conforme diz o boletim.

Ainda para os funcionários em ambas empresas, algumas orientações foram passadas para evitar a propagação ou contágio pelo coronavírus, dentre elas o uso obrigatório de mascaras em todas as dependências, álcool em gel disponível para os colaboradores e em períodos de refeição, procurar manter um distanciamento maior possível dos demais presentes.

O chamamento destes trabalhadores de volta ao trabalho presencial se deve ao crescimento da demanda pelo uso do transporte, resultado das medidas de flexibilização e avanço da cidade de São Paulo e região para a fase 4-Verde.

Confira a mensagem enviada pelo Metrô aos funcionários

De acordo com a recomendação 02, de 07 de abril de 2020, do CNS – Conselho Nacional da Saúde, vinculado ao Ministério da Saúde,  pessoas com 60 anos ou mais são consideradas grupos de risco.

“Considerando as restrições impostas pelos estados e municípios diante do quadro de Pandemia, anunciado pela OMS, em 11 de março de 2020, dentre elas as orientações de isolamento social e/ou quarentena em especial para as pessoas que se enquadram nos grupos de risco (maiores de 60 anos, pessoas imunodeficientes e/ou portadoras de doenças crônicas ou graves, gestantes e lactantes); – diz o documento oficial.

A recomendação na íntegra, você acessa aqui:

Clique para acessar o Reco020.pdf

OUTRO LADO

Em nota ao Diário do Transporte, a STM (Secretaria dos Transportes Metropolitanos) informou que a prioridade é a segurança de seus empregados e que por essa razão, funcionários com comorbidades ou que pertencem ao grupo de risco e possuam atestados médicos, seguem afastados.

Veja abaixo na íntegra:

“A prioridade da CPTM e do Metrô é a segurança de seus empregados. Por isso, permanecem afastados todos aqueles com comorbidades ou os que pertencem a grupos de risco e têm o atestado médico indicando a necessidade de isolamento social.

A convocação para o retorno presencial dos demais funcionários, que é serviço essencial, foi feita gradualmente para atender o aumento da demanda de passageiros, com todo suporte das empresas para o trabalho seguro.”

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Giancarlo disse:

    No caso do metrô, só retorna às atividades presenciais quem for do grupo de risco se quiser, ou seja, se a pessoa desejar o retorno. O metrô não impôs nada *ainda*

    A CPTM sim…

  2. Jean Carlo disse:

    A STM está por fora então da gestão de suas empresas porque a CPTM convocou compulsoriamente o pessoal afastado, aliás não deu nem tempo para retornar, chamou num dia pra voltar no seguinte, pegou todos desprevenidos com esse chamamento precoce.

Deixe uma resposta