Motoristas ameaçam greve de ônibus em São Paulo para o dia 22 de setembro

Publicado em: 10 de setembro de 2020

Ônibus na cidade de São Paulo. Sindicatos de trabalhadores e patronal devem se reunir

Categoria está em campanha salarial.  Na próxima terça-feira, haverá reunião com empresários para uma tentativa de acordo

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

Motoristas, cobradores e demais funcionários do sistema de ônibus da capital paulista decidiram em reunião na tarde desta quinta-feira, 10 de setembro de 2020, os próximos passos da campanha salarial que pode culminar em uma paralisação da categoria no dia 22 de setembro, uma terça-feira.

Os trabalhadores reivindicam reajuste salarial e em tíquetes, pagamento de benefícios como auxílio funeral e a definição dos valores da PLR – Participação nos Lucros e Resultados.

De acordo com o Sindmotoristas, entidade que representa a categoria, apesar de neste ano as empresas de ônibus se queixarem da queda do número de passageiros, a PLR reivindicada engloba um período cuja maior parte é anterior à pandemia, entre maio de 2019 e abril de 2020. A pandemia de Covid-19 começou a afetar a demanda de passageiros a partir do final de março, quando o govenador João Doria decretou quarentena em todo o estado de São Paulo a partir de 24 de março.

Já sobre os salários, os profissionais apontam perda de poder aquisitivo por causa da inflação acumulada desde o ano passado.

De acordo com o IPC-A/Índice de Preços ao Consumidor Amplo, da FGV – Fundação Getúlio Vargas, a inflação acumulada dos últimos 12 meses é de 2,44%.

A entidade trabalhista deve se reunir com o sindicato dos empresários de ônibus na próxima terça-feira, 15 de setembro e uma nova assembleia deve ser realizada na quinta-feira, 17, para discutir os resultados da reunião.

Antes de uma eventual paralisação, o Sindmotoristas deve fazer ações em terminais de ônibus, como distribuição de uma carta aberta à população.

As datas e previsões podem ser alteradas de acordo com o andamento das negociações.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. André lu disse:

    As empresas de ônibus comadanta por mafia e que sofre e aquele funcionários precisa pagar aluguel grupo nso são oprimidos o funcionários qualquer ameça de greve mandar embora JC o trabalhando ficar com medo expressão de liberdades e outras pode pergunta o funcionários .

Deixe uma resposta