MERCADO: Grupo JCA e Viação Águia Branca se unem e formam joint venture para o setor de transporte

Publicado em: 10 de setembro de 2020

Águia Branca e JCA estão entre os gigantes do mercado rodoviário

BusCo terá como foco venda de passagens on line

ADAMO BAZANI

*Reportagem publicada originalmente no dia 10 de setembro de 2020, às 11h38*

O Grupo JCA, que reúne empresas como Auto Viação 1001, Catarinense e Cometa, e o Grupo da Viação Águia Branca, duas gigantes rodoviárias, anunciaram oficialmente na manhã desta quinta-feira, 10 de setembro de 2020, a união para a formação de uma joint venture.

Será a BusCo que terá operação independente e o foco na venda de passagens on line.

De acordo com nota oficial ao Diário do Transporte, cada uma das partes terá 50% de participação e a conclusão do negócio depende da permissão de órgãos reguladores de concorrência.

Ambas empresas continuarão atuando de forma independente, mas em parceria na cobertura da joint venture. Também não significa que uma empresa comprou a metade da outra.  Trata-se de uma união especificamente para esta nova empresa, a BusCo.

De acordo com o Dicionário Formal Financeiro, “joint venture é um acordo entre duas ou mais empresas que estabelece alianças estratégicas por um objetivo comercial comum, por tempo determinado. As companhias concordam em unir seus recursos para o desenvolvimento de um negócio conjunto e dividem os resultados, sejam eles lucros ou prejuízos. Os recursos oferecidos pelas empresas podem ser capital financeiro, matéria-prima, tecnologia ou até mesmo mão de obra, conforme os termos das joint ventures.

Ambas empresas operam rotas de grande movimento no País e concorrem em muitas delas, como que possui a maior demanda no mercado rodoviário, a Rio de Janeiro / São Paulo

Veja nota na íntegra:

Com um histórico similar de pioneirismo no transporte rodoviário de passageiros e com o objetivo de explorar oportunidades no mercado brasileiro, o Grupo JCA e a Viação Águia Branca se uniram para constituir uma joint venture denominada BusCo.

A nova empresa atuará na prestação de serviços de transporte terrestre interestadual de passageiros dentro do Brasil, através de linhas regulares, e terá como canal principal de distribuição sua plataforma de vendas online, que comercializará somente passagens de ônibus relativas aos mercados operados pela própria BusCo.

A BusCo será uma sociedade por ações de capital fechado e será detida, direta ou indiretamente, pela JCA e pela Viação Águia Branca, na proporção de 50% (cinquenta por cento) cada. O fechamento da operação ocorrerá após a obtenção das aprovações necessárias, incluindo das autoridades regulatórias e concorrenciais.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Wilson disse:

    “joint venture é um acordo entre duas ou mais empresas que estabelece alianças estratégicas por um objetivo comercial comum, por tempo determinado ” será mesmo, por tempo determinado? Nós sabiamos eu cheguei a comentar aqui por varias oportunidades, que depois do Buser e da COVID-19 mas principalmente por causa dos aplicativos muitas novidades iram acontecer no modal transporte rodoviario de passageiros. eteremos mais novidades.

    1. Arley disse:

      Voce tem razão o mercado esta em mudança e as empresas inovadores vão mudar a forma de viajar de ônibus. A Xbus vale ser comentada aqui também, com um modelo diferente da atual líder, a Xbus alem de oferecer um ótimo serviço e preço o grande diferencial é não haver risco da viagem ser cancelada.

  2. Alexandre dos Santos Lopes disse:

    Isso tudo pra mim. MONOPÓLIO A VISTA!!!! Brasil e EUA são os únicos países onde ser concorrente é considerado “CRIME “!

  3. José Campos disse:

    Espera-se que o grupo coloque ônibus de Campos para o Rio passando por Araruama e Bacaxá, uma vez que certamente seria uma linha rentável.

  4. SERGIO LUIZ PEREIRA DA SILVA disse:

    ISSO CHAMA MONOPÓLIO, EU IREI CINTINUAR VIAJANDO NA VIAÇÃO ITAPEMIRIM

  5. Paulo Elias Pires Viana disse:

    Sim Itapemirim na certa

  6. Boa noite, Diario dos Transportes!
    Eu fico no aguardo de uma matéria mais completa sobre isso. Seria bom a gente saber se essa nova empresa vem apenas pra unir a água Flex com a WeMobi , se vão operar apenas as suas linhas por app, ja que a materia cita venda apenas on line ou se vão aproveitar o momento fragilizado do mercado de transportes, pra entrar em linhas de outras empresas. Com a queda da demanda, veículos pra isso é o que nao falta. Saudaçoes e parabéns pelo trabalho de vcs
    Fernando de Souza filho

    1. diariodotransporte disse:

      Nós estamos no aguardo de um retorno dos executivos dos dois grupos para gravar uma entrevista e fazer uma matéria mais completa.
      Já enviamos a solicitação de entrevista às assessorias
      Gratos

  7. Jorge soares disse:

    Viajar de itapemirim e esculacho….so carros velhos…a uniao e uma boa…boas empresas…so carros dd

  8. Paulo César Felício disse:

    Eles não querem que a Itapemirim volte se ela voltar como antigamente ele quebra eles agora imagina o investimento que eles colocaram e a Itapemirim vem só comendo pelas beiradas quando menos se espera a Itapemirim já comeu todos eles.

  9. ricardo silva disse:

    Oligopolio da porra

  10. DIEGO disse:

    Jorge soares
    10 de setembro de 2020 às 20:36
    Viajar de itapemirim e esculacho….so carros velhos…a uniao e uma boa…boas empresas…so carros dd

    Concordo plenamente contigo Jorge.

  11. DIEGO disse:

    SERGIO LUIZ PEREIRA DA SILVA
    10 de setembro de 2020 às 17:22
    ISSO CHAMA MONOPÓLIO, EU IREI CINTINUAR VIAJANDO NA VIAÇÃO ITAPEMIRIM

    Rapaz, se você tem a opção de concorrência da Itapemilitro, como vc diz que isso é MONOpólio? kkkk

  12. João Alexandre da Silva disse:

    É VERDADE isso está parecendo um MONOPÓLIO de transportes de passageiros eu concordo com ALEXANDRE SANTOS, isso é só no BRASIL 🤫

  13. Carlos Roberto de Figueiredo Consídera disse:

    Por gentileza “Diário do Transporte”, entrevistem os Diretores da JCA e Águia Branca se eles cogitam criar um itinerário c/ um ou dois horários diários, passando p/ Ponte Rio Niterói, Niterói, Nova Friburgo, Cantagalo, Além Paraíba-MG vice-versa, na Linha: RIO x B.Horizonte.
    Obs: Uma rota que atingiria municípios no total de mais de hum milhão de habitantes.
    Abraços

    1. diariodotransporte disse:

      Estamos aguardando o retorno da assessoria de imprensa de ambos os grupos

  14. Igor disse:

    Paulo César Felício
    10 de setembro de 2020 às 21:31
    Eles não querem que a Itapemirim volte se ela voltar como antigamente ele quebra eles agora imagina o investimento que eles colocaram e a Itapemirim vem só comendo pelas beiradas quando menos se espera a Itapemirim já comeu todos eles.

    É sério que você consegue enxergar a Itapemirim quebrando a AguiaBranca e as Empresas do Grupo JCA? Talvez isso possa ser possível usando sua criatividade emocional, mas usando uma realidade racional acho improvavel

  15. Leonardo disse:

    Eu tenho orgulho da 1001 ser carioca e principalmente daqui de Niterói (bairro Santa Bárbara)…a Itapemirim já foi grande mas,foi superada! Dá gosto ir para São Paulo nos ônibus da 1001… serviço ⭐⭐⭐⭐⭐!

  16. Tarcísio disse:

    Pra quem é admirador da Itapemirim é compreensível pois tem uma bela história no setor e de fato ainda pode ter representatividade, mas dizer que ela irá “engolir as outras” aí o monopólio vai virar de lado ?
    Aliás, o mercado está aberto e quem quiser investir e comprar carros novos para competir com as empresas que já operam fiquem a vontade. O monopólio é ilícito e inaceitável quando as empresas usam de seu poder no mercado para impedir diretamente a concorrência, caso contrário as empresas operantes não podem se intimidar a fomentar o mercado. O monopólio sem a factual existência de concorrência é apenas uma teoria.

  17. Patrick Moysés Proença disse:

    Monopólio? É justamente o contrário, galera. A desregulamentação estatal propiciada pela entrada dos aplicativos no transporte no Brasil está gerando uma concorrência como se nunca se viu recentemente no setor e isso se reflete nos preços: Uber mais barato que táxi e Buser mais barato que linha regular de ônibus. Isso sim é concorrência e favorece até as empresas, no caso em questão, a 1001 e Águia Branca que perceberam e reagiram rapidamente aos novos modelos, para não perderem mais do que já estavam perdendo. E isso é bom para os clientes que tem melhores preços e melhores serviços sendo operados. Que vençam os melhores!

Deixe uma resposta