ANTT apreende 3 ônibus em São Paulo por transporte clandestino de passageiros

Publicado em: 4 de setembro de 2020

Foto: ANTT / Divulgação

Veículos foram apreendidos no Brás, na Marginal Tietê e em Avaré, interior, e tinham como destino as cidades de Corumbá/MS, Iguatu/CE e Maceió/AL

ALEXANDRE PELEGI

A Agência Nacional de Transportes Terrestres realizou nesta sexta-feira, 04 de setembro de 2020, na cidade de São Paulo e seus principais acessos, mais uma etapa da Operação Pascal.

A ação contou com apoio operacional do CPTRAN da Polícia Militar do Estado de São Paulo; da Polícia Militar Rodoviária/SP; da ARTESP e da EMTU, e foi mais uma etapa da Operação Pascal, que visa combater o transporte clandestino interestadual.

O comando operacional de rotina redundou em diversas fiscalizações, autuações, e 3 apreensões de ônibus, que estavam realizando transporte clandestino de passageiros.

A fiscalização ocorreu devido ao aumento das denúncias do transporte clandestino entre estados durante a pandemia de Covid-19.

Os veículos tinham como destino as cidades de Corumbá/MS, Iguatu/CE e Maceió/AL.

Durante a operação, foram ainda encontradas irregularidades relacionadas a segurança, como: motocicleta com combustível no tanque no bagageiro, bagagens no salão sobre os bancos e extintor de incêndio vencido.

Os veículos foram apreendidos no bairro do Brás e na Marginal Tietê, em São Paulo/SP, e na rodovia Castello Branco em Avaré/SP. Todos foram encaminhados para o Terminal Rodoviário do Tietê, em São Paulo, para que as empresas infratoras providenciassem para que os passageiros seguissem viagem de forma segura em empresas regulares.

Os três ônibus foram removidos para pátio credenciado pela ANTT.

Os infratores estão sujeitos a multa no valor de R$ 7.500 pelo transporte clandestino. Todos os veículos foram enquadrados na Resolução 4287/14 da ANTT, apreendidos e encaminhados para um depósito credenciado da ANTT por no mínimo 72 horas, sendo sua liberação condicionada à comprovação do pagamento das passagens em empresa regular, bem como as despesas referentes as diárias de pátio e guincho. O valor total das autuações na ação de hoje foi de R$35.000.

Apesar da pandemia, e da redução da atividade econômica, a ANTT já apreendeu cerca de 700 veículos somente em 2020, sendo restituidos ao transporte autorizado cerca de 21000 passageiros, e constatou que embora as linhas regulares tenham reduzido a frequência de viagens desde março/2020, o transporte clandestino seguiu na contramão. A fiscalização aplicou 1600 Autos de Infração causando um impacto de mais de 8 milhões de reais ao transporte clandestino.

A ANTT tem monitorado o transporte clandestino de passageiros utilizando o Canal Verde Brasil, rede nacional inteligente de percepção, acompanhamento e mapeamento de fluxos de transporte nos corredores logísticos. São pórticos que leem as placas dos veículos na rodovia e dão sua localização em tempo real para ANTT.

A ANTT alerta sobre os perigos de utilizar o transporte clandestino de passageiros. Via de regra, no transporte clandestino os motoristas não possuem treinamento, cumprem jornadas exaustivas de trabalho e os veículos são precários, geralmente apresentando péssimo estado de conservação e manutenção, o que aumenta em quatro vezes a letalidade dos acidentes envolvendo esse tipo de transporte.

A ANTT alerta também quanto ao risco de infecção pelo novo coronavírus a que os passageiros que optam pelo transporte clandestino ficam expostos pela não adoção das determinações vigentes de higienização dos veículos.

A Operação Pascal da ANTT segue em todo país e para denunciar o transporte clandestino de passageiros, os usuários podem entrar em contato através do telefone 166, do e-mail ouvidoria@antt.gov.br ou WhatsApp (61) 9688-4306.

VÍDEOS E FOTOS ENVIADAS PELA ANTT:



Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Vanderlei disse:

    Complicado ,mas aí cai na máfia das polícias rodoviária

  2. Nice disse:

    Só são clandestino por parte do governo e do órgão que tira a oportunidade de crescimento dos donos de ônibus alternativo? Porque não facilita para poderem se regularizarem e aí s entra a parte da fiscalização sobre a manutenção do veículo

  3. RONALDO TAKEJI YAKABI disse:

    Aqueles que sobrevivem do transporte clandestino perdem sua fonte de renda e ficam sem trabalho.
    Aqueles que usam o transporte clandestino agora irão ter que pagar mais caro, ou simplesmente não terão mais acesso a esse tipo de serviço já que o transporte regularizado custa bem mais caro.
    Sem o transporte clandestino diminui a concorrência e menos concorrência os produtos e serviços se tornam mais caros e piores.

  4. Emerson Silva disse:

    Tbm os policiais sao Um bando de corruptos junto com a antt com certeza ganhando por fora das empresas de ônibus pra não deixa ninguém trabalhar

Deixe uma resposta