Doria critica ida à praia no fim de semana e diz que prefeitos devem impedir aglomerações e multar as pessoas, se necessário

Publicado em: 31 de agosto de 2020

Doria chama a atenção dos prefeitos

Preocupação é com fim de semana prolongado e o risco de aumento de contágio pela Covid-19

ADAMO BAZANI/WILLIAN MOREIRA

O governador de São Paulo, João Doria, em entrevista coletiva no início da tarde desta segunda-feira, 31 de agosto de 2020, criticou a atitude dos moradores da capital e Grande São Paulo, que aproveitaram o fim de semana de sol e calor para viajarem para as praias do litoral paulista e interior.

Em alguns locais, houve aglomeração e diversas pessoas não usavam máscaras.

Segundo governador, mesmo com os números de Covid-19 em queda no Estado, não há motivo para relaxar os cuidados e o risco de aumento de contágio é real.

“Estamos combatendo um vírus letal, eu mesmo já fui contaminado. Eu entendo que após seis meses de restrições, sobretudo os jovens, se sintam compelidos a se aglomerar e não usar máscaras. Queremos os jovens com vida” – disse Doria.

Houve também congestionamentos em rodovias e maior movimento em ônibus.

Doria ainda recomendou que os prefeitos ajam para impedir aglomerações em praças públicas das cidades que administram.

“É preciso que os prefeitos tenham uma ação mais rigorosa quanto à lei do uso de máscaras. Prefeitos e prefeitas devem orientar suas vigilâncias sanitárias neste feriado prolongado. Primeiro orientar e, se necessário, multar quem resistir” – complementou o governador.

Segundo o coordenador executivo do centro de contingência da Covid-19, João Gabbardo, os números do Brasil estão em queda, mas não passam nem perto dos resultados atuais da Europa.

“A situação do Brasil não é nem parecida com da Europa, onde está havendo uma flexibilização. Para se ter uma ideia, a média móvel de óbitos na Itália nos últimos sete dias, é de seis mortes diárias. Na Alemanha, são quatro óbitos diários; na França, 13 óbitos diários. O Brasil tem uma média móvel diária de 876 óbitos” – disse Gabbardo.

Segundo o médico, a preocupação é de no Feriado de 7 de Setembro, na próxima segunda-feira, haver mais aglomerações e o contágio e mortes voltarem a subir.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. ERICKSON disse:

    Para pegar ônibus lotado trem metrô não pega covid 😒 o Doria pelo amor de deus vc tá preocupado com o dinheiro Não com.a saúde então cala sua boca antes de falar essas merdas o povo tem q trabalha então tem q curti

Deixe uma resposta