Rodoviários de Juiz de Fora (MG) entram novamente em greve

Publicado em: 18 de agosto de 2020

Ônibus da GIl, uma das empresas que interromperam o serviço. Foto: Gabriel Cruz/Ônibus Brasil

De acordo com o Sinttro, direitos trabalhistas do mês de julho não foram pagos

WILLIAN MOREIRA

Menos de um mês após reunião de conciliação entre sindicato, empresas do transporte e Promotoria de Justiça, que colocou fim em uma paralisação, os rodoviários de Juiz de Fora, em Minas Gerais, voltam a cruzar os braços nesta terça-feira, 18 de agosto de 2020.

Segundo nota divulgada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transporte Coletivo Urbano (Sinttro), não houve garantias mínimas dos direitos dos funcionários, com a retirada da cesta básica e 50% do salário, algo não aceito pela categoria.

A paralisação se iniciou na madrugada com toda a frota parada, mesmo com o sindicato em nota dizendo que 30% dos ônibus estariam nas ruas.

O Sinttro alega que a Goretti Irmãos Ltda (GIL) não cumpriu o acordo firmado no mês anterior, e não pagou a parcela dos salários como combinado.

A greve iniciada na terça-feira, 18, foi previamente comunicada nos canais do sindicato e definida em assembleia realizada na semana passada.

IMPASSE CONTINUA

Em julho, durante interrupção do serviço por três dias, a Promotoria de Justiça atuou como uma mediadora com o sindicato e as empresas São Francisco, Goretti Irmãos Ltda, Ansal e Tusmil, firmando um acordo de pagamento dos benefícios e direitos de trabalho, como condição para encerrar a greve.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/07/23/greve-do-transporte-publico-em-juiz-de-fora-e-encerrada-mg/

LIBERAÇÃO DE VANS

Em nota, a Secretaria de Transportes e Trânsito (Settra) da Prefeitura de Juiz de Fora informou que já encaminhou para publicação Portaria que dispõe sobre possibilidade de utilização excepcional de vans escolares, para garantir a continuidade do serviço público essencial de transporte coletivo urbano (TCU), por conta da greve dos profissionais que atuam no setor. Assim, as vans já estão autorizadas a circular a partir desta terça-feira, 18, enquanto durar a greve, total ou parcial.

Desta forma, segundo a Prefeitura, o transporte escolar está autorizado a conduzir passageiros pelo valor da tarifa de ônibus, de R$ 3,75. Entretanto, algumas regras deverão ser seguidas: “As vans precisam estar em dia com as vistorias feitas semestralmente pela Settra e devidamente registrada. Todos os veículos devem circular com adesivos de autorização, podendo utilizar as faixas exclusivas para o TCU e usando obrigatoriamente os pontos destinados ao embarque e desembarque de passageiros, não sendo permitida a parada fora destas áreas. Fica proibida a prestação deste serviço de transporte complementar emergencial por veículos que não se enquadram nos requisitos.”

A Settra ressaltou que a medida é emergencial e visa amenizar o impacto causado pela paralisação dos ônibus. O local onde cada van atenderá é de livre escolha do proprietário.

Os motoristas e passageiros devem, obrigatoriamente, usar máscaras de proteção dentro das vans. Além disso, os condutores devem exigir a utilização de máscaras pelos passageiros que não estiverem com a proteção. Eles também devem disponibilizar álcool em gel dentro dos veículos.

FISCALIZAÇÃO

A Settra informou também que já está monitorando, por meio dos agentes de trânsito, as 258 vans autorizadas a prestar o serviço. Todos os veículos circularão com a credencial no para-brisa, onde constará o valor da tarifa (R$ 3,75), não podendo ser cobrado custo divergente. O descumprimento das disposições previstas neste decreto acarretará multa de R$ 4.489 por infração, a ser recolhida aos cofres públicos, em guia própria. Em caso de primeira reincidência, multa de R$ 8.978, e de segunda, R$ 17.956 e apreensão do veículo. O cidadão pode fazer denúncias por meio do Serviço de Orientação ao Usuário (SOU), no 3690-8218, e pelo e-mail settraatende@pjf.mg.gov.br, citando a placa de identificação do veículo.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diario do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta