Após operação da prefeitura, 33 linhas de ônibus voltam a operar no Rio de Janeiro

Publicado em: 17 de agosto de 2020

Foram inspecionadas as garagens da Pégaso/Palmares, Jabour, Barra, Redentor/Futuro, Transurb, Real, Braso Lisboa, Nossa Senhora de Lourdes, Pavunense e Vila Real. Foto Prefeitura

Passageiros reclamam da suspensão de serviços. Prefeitura espera auxílio do Governo Federal

ADAMO BAZANI

A prefeitura do Rio de Janeiro, por meio do Comitê Executivo Emergencial para readequação das linhas de ônibus, da Secretaria de Transportes, realizou na madrugada nesta segunda-feira, 17 de agosto de 2020, uma operação em garagens das prestadoras de serviços.

Segundo a gestão do prefeito Marcelo Crivella, ao menos 33 linhas regulares que estavam paradas ou com frota menor, foram reativadas como eram antes da pandemia de Covid-19.

Foram inspecionadas as garagens da Pégaso/Palmares, Jabour, Barra, Redentor/Futuro, Transurb, Real, Braso Lisboa, Nossa Senhora de Lourdes, Pavunense e Vila Real.

As condições dos veículos também foram verificadas.

Os trabalhos contaram com 11 equipes de cerca de 80 agentes e 17 viaturas, que tiveram o apoio da Guarda Municipal.

Em nota, a prefeitura diz que “além do trabalho de campo pelo comitê, a SMTR já realiza diferentes levantamentos com base nos 688 serviços cadastrados. A lista atualizada, com base no canal oficial da secretaria, conta com 144 linhas reclamadas por inoperância ou circulação com frota reduzida, o que representa cerca de 20% do total de serviços cadastrados na secretaria. Após a intervenção dos agentes nas garagens, nesta segunda-feira, 22% do total de linhas com reclamações no canal voltaram a circular e serão rigorosamente acompanhadas pela pasta”.

 Os serviços retomados foram:

010 (Fátima x Central)

109 (São Conrado x Central)

311 (Engenho Leal x Candelária)

342 (Jardim América x Castelo)

346 (Madureira x Candelária)

349 (Rocha Miranda x Castelo)

380 (Curicica x Candelária)

384 (Pavuna x Passeio)

385 (Village Pavuna x Passeio)

389 (Vila Aliança x Candelária)

702 (Praça Seca x Madureira)

739 (Sulacap x Bangu)

741 (Barata x Bangu)

743 (Barata x Bangu)

744 (Realengo x Cascadura)

773 (Cascadura x Pavuna)

817 (Terminal Recreio x Vargem Grande)

822 (Corcundinha x Campo Grande)

825 (Campo Grande x Jesuítas)

830 (Pedregoso x Campo Grande)

832 (Taquara x Alvorada)

833 (Conjunto Mangaratiba x Campo Grande)

841 (Vilar Carioca x Campo Grande)

842 (Paciência x Campo Grande)

849 (Base Aérea de Santa Cruz x Campo Grande)

850 (Mendanha x Campo Grande)

869 (Santa Margarida x Campo Grande)

882 (Tanque x Alvorada)

887 (Pechincha x Barra da Tijuca)

891 (Sepetiba x Mato Alto)

893 (Jardim Palmares x Campo Grande)

895 (Serrinha x Campo Grande)

896 (Pingo D´água x Estação Mato Alto)

APOIO DO GOVERNO FEDERAL:

Na mesma nota, o secretário municipal de Transportes, Paulo Jobim, disse que a pandemia afetou a demanda e a prestação de serviços não só no Rio de Janeiro, mas praticamente em todas as cidades brasileiras. A administração municipal, segundo Jobim, tem acompanhado a votação do pacote de R$ 4 bilhões de ajuda ao setor e que, “em caso de aprovação, a Prefeitura do Rio, poder concedente, vai utilizar, preferencialmente, para a implementação das medidas estabelecidas, o critério de desempenho contratual dos operadores e consórcios, especialmente quanto à regular operação das linhas.”

Como mostrou o Diário do Transporte, após vários adiamentos, a estimativa é que este pacote de R$ 4 bilhões para todo o Brasil seja votado nesta terça-feira, 18 de agosto.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/08/13/projeto-de-r-4-bilhoes-de-auxilio-ao-transporte-coletivo-sai-de-pauta-na-camara-dos-deputados-e-deve-ser-votado-somente-na-proxima-semana/

Na mesma nota, o coordenador do Comitê Executivo, subsecretário Allan Borges, os levantamentos feitos nas garagens são de grande importância, já que o inventário com as disfunções existentes vão permitir a intervenção do poder concedente na direção do aperfeiçoamento do transporte público por ônibus na cidade.

“Operações como essa são de extrema relevância e seguirão em nosso cronograma. O objetivo central é promover melhorias no sistema, como o carioca reivindica, precisa e merece”.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta