Banco Central aprova nova modalidade de pagamento instantâneo que contribui para a retirada do dinheiro dentro dos ônibus

Central do Brasil

Transação será realizada entre o celular do usuário e o validador, via leitura de QR code, diretamente da conta bancária do passageiro para o operador. Novo sistema trará benefícios para operadores e usuários dos ônibus urbanos 

ALEXANDRE PELEGI

Resolução do Banco Central do Brasil (BCB), publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira, 13 de agosto de 2020, institui o arranjo de pagamentos Pix, além de aprovar o seu Regulamento.

O PIX é o sistema brasileiro de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo BCB para possibilitar transferências e pagamentos, em poucos segundos, entre pessoas, empresas e o governo. Eles podem ser realizados a qualquer hora do dia, nos finais de semana e feriados, de forma segura e prática.

Para o transporte público, entre as inúmeras possibilidades de aplicação da nova modalidade está a realização de processos que proporcionam o pagamento de pequenos valores de forma ágil e prática, o que está diretamente ligado à dinâmica do setor. Ou seja, o pagamento de tarifas dentro dos ônibus sem o uso de dinheiro.

Como informa a Empresa 1, empresa de tecnologia que se prepara para aderir ao sistema, a inovação trazida pelo Banco Central promete revolucionar a forma como as pessoas lidam com as transações financeiras, substituindo, por exemplo, o TED e o DOC como transferências bancárias. “Ele chega em um momento em que as transações digitais estão em crescimento acelerado no Brasil. Segundo uma pesquisa realizada pela Febraban em parceria com a Deloitte, só no último ano o mobile banking cresceu em 66%”, informa a Empresa 1.

A fase de operação restrita do Pix ocorrerá durante o período de 3 de novembro de 2020 a 15 de novembro de 2020.

Para esta fase de operação restrita, os participantes devem selecionar, entre os usuários finais que neles mantenham conta transacional, aqueles que poderão atuar como usuários pagadores.

Para a Empresa 1, na prática, além de contribuir para a retirada do dinheiro em espécie embarcado, já que a transação será realizada entre o celular do usuário e o validador, via leitura de QR code, os operadores de transporte serão alguns ganhos importantes, como o corte de custos envolvidos no processo de venda de crédito.

Como os pagamentos via PIX serão realizados de forma digital, na comunicação entre o aplicativo do banco que o usuário usa e a plataforma de bilhetagem, isso representará uma redução significativa nos custos relacionados ao processo de venda de crédito”, informa a Empresa 1.

As transações via PIX ocorrerão diretamente da conta bancária do passageiro para o operador, de forma instantânea, sem a necessidade de intermediários. Além de simplificar o processo, os custos para o operador também serão reduzidos, já que não será necessário negociar taxas com adquirentes.

Mas e para os usuários do transporte público? Quais serão as vantagens?

A Empresa 1 afirma que serão muitos, como a flexibilidade e poder de escolha. “Talvez o mais importante benefício desta nova modalidade de pagamento é dar ao usuário um maior poder de escolha e mais flexibilidade na hora de adquirir o crédito para o transporte”, acredita a empresa de tecnologia.

Com o PIX, o usuário terá a possibilidade de concentrar todos os seus pagamentos, incluindo passagens de transporte público, em um único aplicativo – o do banco, Sem necessidade de cartão ou aplicativo extra”, conta Marcionílio Sobrinho, Diretor técnico da Empresa 1, sediada em Belo Horizonte.

“Outro ponto importante é que não haverá a necessidade de usar cartões físicos ou outros aplicativos avulsos para realizar o pagamento, apenas o do banco em que o usuário tem conta”, acrescenta Marcionílio.

De acordo com a Resolução do Banco Central publicada hoje, consideram-se contas de clientes ativas as contas de depósito à vista, as contas de depósito de poupança e as contas de pagamento pré-pagas não encerradas.

O Banco Central (BC) informou em comunicado nesta quarta-feira, 12 de agosto, que o novo sistema brasileiro de pagamentos instantâneos dará início ao cadastramento de chaves no próximo dia 5 de outubro. Chaves é o nome dos dados de clientes que servirão de identificação para as transações feitas pelo PIX. Isso significa que com apenas uma chave cadastrada os clientes do sistema poderão realizadas transferências instantaneamente, sete dias por semana.

A grande expectativa em torno do PIX é de que ele atraia um público que até então não utilizava os meios digitais para realizar transações financeiras — ou não tinha conta bancária. Isso vai ao encontro do atual contexto social e econômico trazido pela pandemia da Covid-19. Para o transporte público, é uma oportunidade para modernizar o serviço, reduzir custos e alcançar mais usuários.

João Manoel Pinho de Mello, diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central, explica que o BC “não compete com o setor privado e não proverá serviços para os usuários finais. Apenas disponibilizará a infraestrutura para que as empresas utilizem e ofereçam seus serviços”.

WEBINAR EM 26 DE AGOSTO

Para explicar o novo sistema de pagamentos, a Empresa 1 realizará um webinar no dia 26 de agosto, promovendo uma conversa sobre a entrada do PIX no mercado brasileiro como opção de pagamento e os impactos do novo recurso, tanto para o transporte público como para a economia e o comportamento do consumidor em geral.

O evento online contará com a presença de Aloisio Carneiro de Barros Júnior, Gerente Nacional de Cartões e Meios de Pagamento da Caixa Econômica. As inscrições gratuitas estão abertas e podem ser feitas no link: https://conteudo.empresa1.com.br/pix

Para ler a Resolução na íntegra, clique no link e baixe a publicação: RESOLUÇÃO BCB Nº 1, DE 12 DE AGOSTO DE 2020 – PIX

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta