Abertura parcial em alguns trechos. Mesmo com greve suspensa, Metrô de São Paulo não abre estações no horário certo.

Às 4h40, trens não começaram a circular

ADAMO BAZANI

Quem depende do Metrô de São Paulo ficou sem entender e foi prejudicado pelas idas e vindas das decisões sobre uma eventual greve de metroviários que foi confirmada para esta terça-feira, 28 de julho, mas cancelada pelo sindicato da categoria na madrugada com novas propostas trabalhistas.

Às 4h40, as estações não abriram nas linhas de operação estatal: 1-Azul (Jabaquara/Tucuruvi), 2-Verde (Vila Prudente/Vila Madalena) e 3-Vermelha (Barra Funda/Itaquera) e o monotrilho da linha 15-Prata (Vila Prudente/São Mateus). Em plena pandemia da Covid-19, por falta de articulação e comunicação com os trabalhadores e pelas decisões serem tomadas na madrugada, houve aglomerações nos acessos fechados das estações. Não havia operador em número suficiente.

Somente foi aberta Ana Rosa a Luz às 6h12 da Linha 1 e  de Alto do Ipiranga a Clínicas às 6h12 Linha 2.  Depois, ocorreu a abertura às 6h17 de Santa Cecília a Tatuapé, da linha 3. Às 6h25,  Linha 2 passou a operar de Vila Prudente a Clínicas. Às 6h31  a Linha 3 passou a funcionar de Itaquera a Santa Cecília. Às  6h33 aberta a transferência na Estação da Luz.

Às 6h34 o monotrilho da Linha 15 foi aberto integralmente.

Somente às 6h45, a linha 3-Vermelha foi normalizada.

Às 6h49, a linha 1 passou a operar de Ana Rosa a Tucuruvi, mas com os trens passando direto pelas estações Parada Inglesa e Jardim São Paulo.

Um minuto depois, às 6h50, foi aberta a estação Parada Inglesa.

Na estação Tucuruvi,  houve tumulto e até pessoas pulando a catraca.

Às 7h02 foi aberta a estação Jardim São Paulo, na Linha 1.

Às 7h15 a linha 1 de Jabaquara a Tucuruvi voltou a funcionar, mas sem parada em Santa Cruz.

As linhas de operação de empresas privadas 4-Amarela (São Paulo-Morumbi/Luz) e 5-Lilás (Capão Redondo/Chácara Klabin) funcionaram . A linha 5, mesmo não estando inserida nas idas e vindas de uma eventual greve, foi prejudica e operou parcialmente da estação Capão Redondo a Santa Cruz devido a não abertura da estação Chácara Klabin por parte do Metrô estatal. Às 5h55, a linha 5-Lilás foi normalizada.

Quem trabalha cedo, não pode ficar esperando sindicato e secretaria de transportes decidirem sobre greve de madrugada e foi pego de surpresa.

Por volta das 5h, o Metrô informou que “aguarda o cumprimento do acordo e, sendo assim, a reabertura das estações”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes e Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Wendel disse:

    5:50 e nada muita gente aglomerada.. reclamam de barriga cheia metroviarios… entro as 06 da manhã e moro Itaquera. Quem vai paga minhas hrs q vo chega atradado?

  2. José disse:

    Wendel se você começar a valorizar a sua mão de obra e lutar por salario melhor você não terá que passar por isso. Esses trabalhadores estão usando suas armas contra governantes, políticos e a mídia corrupta e mentirosos. Se a população fosse mais unida não existiria essa desigualdade.

Deixe uma resposta para Wendel Cancelar resposta