HISTÓRIA EM RETRATOS: Um desfile do “Dia do Motorista” que ficou para a memória

Publicado em: 26 de julho de 2020

Incasel da Eroles

Comemoração ocorreu em Santo André (SP). Mario Custódio, com seu trabalho, conseguiu eternizar o momento especial, retratando modelos, empresas e profissionais que embelezaram as ruas com sua iniciativa

ADAMO BAZANI/MARIO CUSTÓDIO

Bem antes de redes sociais, fotos digitais e da popularização da internet, a comemoração pelo Dia do Motorista era feita com maior proximidade entre as pessoas e com a participação mais ativa dos profissionais. Todas as empresas de ônibus praticamente não tinham equipes de marketing e registrar estes momentos não era nada fácil.

Felizmente, uma destas ocasiões foi eternizada pelas lentes do pesquisador e consultor em transportes, Mario dos Santos Custódio, estudioso e apaixonado pela mobilidade ao longo do tempo. E o Diário do Transporte revive com seus leitores a ocasião especial neste domingo, 26 de julho de 2020, quinta edição da coluna “História em Retratos”.

No final dos anos da década de 1970 ou início dos anos da década de 1980, na cidade de Santo André, no ABC Paulista, houve um grande desfile para homenagear os heróis dos volantes que, com seu trabalho, ajudam a desenvolver as cidades e aproximar as pessoas.

Segundo Mario Custódio, foram ao menos 35 ônibus e o mais interessante: de diferentes empresas, uma verdadeira união dos motoristas que com seus veículos de variadas cores, pinturas, portes e modelos embelezavam o trajeto que fizeram.

O registro também permitiu deixar para a posteridade modelos, empresas e pinturas clássicas: Um Incasel da empresa Eroles, um Metropolitana da Breda usado como carro-oficina e um Marcopolo III, da Sabetur – São Bernardo do Campo Turismo; todos em serviço de fretamento.

Vale a pena passear por esta história pela qual, a equipe do Diário do Transporte homenageia a todos estes profissionais, do passado, do presente e do futuro.

(A tempo, Mario Custódio faz aniversário neste domingo, 26 de julho de 2020)

Acompanhe o relato:

“No final dos anos 70 ou início dos anos 80, houve um desfile de ônibus em Santo André (SP), em homenagem aos motoristas de ônibus pelo Dia do Motorista, 25 de julho. Eu estava em férias e acompanhei o desfile, que teve no mínimo 35 ônibus. O ponto inicial foi na Avenida Prestes Maia, próximo ao Corpo de Bombeiros, e o ponto final foi na Praça São Camilo, ao lado da Paróquia São Camilo de Léllis, no bairro de Camilópolis. Além de tirar fotos de uma parte dos ônibus que participaram do desfile, pedi a três motoristas que ficassem em frente aos veículos que dirigiam, sendo certo que estes condutores, hoje anônimos, porque não me lembro de seus nomes, ficam aqui como representantes dessa classe valorosa e contributiva do progresso de todas as localidades, aos quais também presto a devida homenagem. Seguem as três fotos, sendo um modelo “Metropolitana”, da empresa Breda; um “Incasel”, da companhia Eroles;  e um clássico modelo Marcopolo III, da Sabetur. Quando possível, pego o endereço do motorista (hoje de forma virtual) para encaminhar-lhes a foto do ônibus tirada. Hoje está tudo mais fácil em termos de fotografias, mas naquela época era bem complicado tirar fotos, pois havia a necessidade de revelar e enviar via correio, além de comprar o filme antes e instalar na câmera, tomando o devido cuidado para não abri-la inadvertidamente, “queimando todo o filme e perdendo todas as fotos”. E custava muito mais caro do que hoje, até porque os filmes tinham 12, 24 ou 36 posições (se fosse uma máquina Olympus Trip, a que eu usava – emprestada de um amigo, ela dobrava as fotos). Infelizmente não tomei o cuidado de classificar todas as fotos que enviei a todos os motoristas, mas certa vez, em Criciúma (SC), tirei uma foto de um ônibus da ZTL, com o motorista à frente, e enviei via correio, recebendo os agradecimentos não só do motorista, mas também da própria empresa de ônibus, pela minha iniciativa, já que não só enviei para o motorista a foto, mas a enviei ampliada, permitindo que ele a colocasse num quadro se assim desejasse. São momentos como estes, tanto de um desfile de ônibus a homenagear todos os motoristas, como também fotos isoladas de um motorista homenageado, que acabam por deixar satisfeitos tantos motoristas ou um só motorista, pelo excelente trabalho que realizam pela sociedade como um todo, até mesmo este pesquisador, que fotografa ônibus desde 1975. Pena que o tempo desgastou tanto as fotos quanto os negativos, pois na época eu não tinha a menor ideia de que isso poderia ocorrer, ou seja, que a boa conservação das fotos e dos negativos é decisiva para a sua manutenção histórica com qualidade”

Marcopolo III da Sabetur

Incasel da Eroles

Carro-Oficina da Breda, com carroceria Metropolitana

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Mario dos Santos Custódio, pesquisador e consultor em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta