STM dá autonomia para EMTU, CPTM e Metrô realizarem estudos e projetos de mobilidade urbana

Publicado em: 29 de junho de 2020

Companhias poderão ter trabalhos independentes

Todos os estudos, porém, deverão passar pelo crivo do secretário de transportes

ADAMO BAZANI

A STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos deu autonomia para as empresas vinculadas à pasta empreenderem estudos e projetos relacionados à mobilidade urbana que poderão ser integrados ao planejamento de transporte coletivo do governo estadual.

A resolução que dá esta prerrogativa às empresas é a 42 da própria STM e foi publicada no Diário Oficial do Estado, edição de sábado, 19 de junho de 2020.

Há mais de uma semana o Diário do Transporte espera um detalhamento da STM sobre o assunto devido à importância, mas sem sucesso

Entre as empresas vinculadas à pasta comandada por Alexandre Baldy estão a CPTM – Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, Metrô, EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (ônibus metropolitanos comuns, ônibus metropolitanos seletivos, ônibus e trólebus do Corredor ABD e VLT – Veículo Leve sobre Trilhos da Baixada Santista) e EFCJ  -Estrada de Ferro Campos do Jordão.

Os estudos coordenados ou realizados diretamente pelas empresas podem ser mais rápidos e mais precisos nos segmentos que estas empresas atuam. Assim, a EMTU, por exemplo, pode ter um recorte mais preciso sobre os transportes por ônibus que uma equipe geral da STM.

No entanto, a resolução determina que todos estes estudos passem pelo crivo do secretário dos transportes.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Laurindo Martins Junqueira Filho disse:

    Pode ser muito boa a intenção…, desde q se leve em conta, também, os planos feitos pelas municipalidades, o q acho difícil q venha a ocorrer.

  2. Djalma C. disse:

    Vamos ver se dessa vez essas companhias de transporte sobre trilhos entendam de uma vez por todas que o maior prolema não são a lotação e sim os gargalos, exemplo são as estações Se, e Brás e Luz… E como medida eficaz de fluidez seria a extensão da linha 12 Safira até a Santa Efigênia, passando pela 25 de março.

  3. Luis Nunez disse:

    O que adianta a EMTU identificar uma demanda especifica e ai vem uma prefeitura qualquer e não permite os onibus circularem?

  4. Alex Fontenelle disse:

    O governo de SP juntamente com a prefeitura de SP,deveriam juntos interligarem os sistemas de bilhetagem eletrônica;bilhetes Bom e Único e também instituírem uma tarifa única para todas as regiões metropolitanas. Exemplo: Região metropolitana de SP com uma mesma tarifa em todas as linhas da região.
    Traria inúmeros benefícios à população é se faz necessário .

  5. and disse:

    deveria ser o contrario. já não basta estado e municípios terem planos concorrentes, agora as próprias empresas da STM também serem concorrentes? o plano de mobilidade, pelo menos na região metropolitana de SP, deveria ser integrado, ao invés de diluído entre varias empresas e secretarias.

Deixe uma resposta