Justiça determina que Viação Águia Branca contrate de volta 178 trabalhadores demitidos

Ao todo, empresa desligou 300 funcionários em função da crise provocada pela pandemia de Covid-19

JESSICA MARQUES

A 6ª Vara da Justiça do Trabalho determinou que a empresa de ônibus Águia Branca contrate de volta 178 trabalhadores que foram demitidos de março a junho deste ano. Ao todo, foram 300 funcionários desligados em função da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

Em nota, o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários do Espírito Santo (Sindirodoviários-ES) informou que procurou a empresa para tentar reverter as demissões, quando ocorreram. Sem sucesso, a categoria ingressou com ação na Justiça, que teve parecer favorável aos funcionários.

Contudo, também de acordo com o sindicato, os outros 122 trabalhadores não serão readmitidos. Neste caso, a justificativa é de que eles foram contratados para a alta temporada, ou seja, com contrato por prazo determinado.

Ainda assim, a Viação Águia Branca terá que pagar a diferença da multa do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), pois pagou apenas 20% do valor da multa rescisória.

SALÁRIOS VENCIDOS

A empresa também terá que pagar aos trabalhadores reintegrados os salários vencidos e os que estão próximos a vencer. Caso não o faça, terá que pagar uma multa equivalente a 10 vezes a remuneração apontada nos Termo de Rescisão do Contrato de Trabalho.

“Esta é uma importante vitória da categoria, em especial dos companheiros da Viação Águia Branca. O que a empresa fez uma injustiça brutal, já que é uma empresa de grande porte e deveria ter mostrado sensibilidade. Foi também ilegal, já que ela só pagou 20% do valor da multa rescisória aos empregados demitidos, mas a ação vitoriosa do Sindirodoviários garantiu a restauração da dignidade e dos empregos desses bravos companheiros”, disse o diretor do sindicato, Valdecy Dulcilina, em nota.

Confira a manifestação do sindicato, na íntegra:

es sindicato

OUTRO LADO

Em nota ao Diário do Transporte, a Viação Águia Branca informou que “ainda não foi notificada sobre qualquer decisão a respeito e só irá se pronunciar após analisar o inteiro teor da decisão e respectiva notificação”.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Matilinda AGB disse:

    Aqui onde moro fazemos uso da empresa pra trabalhar e ja estavam demitindo antes da pandemia, devido o sistema on line e na linha q uso reduziram em 50% o horario, prejudicando grandemente os usuarios q como eu tive ate crise de ansiedade, ou seja foi so uma desculpa para o q ja estavam implementando

  2. Afonso disse:

    Parabéns a justiça!!!!!
    Mais pq não funciona com a Itapemirim?
    🤔
    Ela faz oq quer com os funcionários
    Os horários das linhas ela que determina
    Não cumpre uma lei se quer…
    Tem um verdadeiro 171 no comando

  3. Roseli Goulart de Moura Roza disse:

    A justiça podia obrigar a empresa rever seus horários tb, moramos em Iúna e trabalhamos em Venda Nova do Imigrante em escala 12/36 e por questões de 30 minutos complica toda nossa vida.

  4. Pedro Carlos disse:

    Meus parabéns para essa juíza que foi justa para os companheiros e meus parabéns para os companheiros do sindicato que não dormiu no ponto companheiro vcs que critica o sindicato veja como é importante com ele juntos somos mais fortes valeu um forte abraço a essa categoria que é tão essencial valeu buda….

  5. Hélio disse:

    Com a enorme crise que vive o setor, como a empresa vai pagar esses salários? Muitas estão a beira da falência e a justiça simplesmente manda reintegrar. É muito fácil dar uma canetada quando seu gordo salário, benefícios e estabilidade estão garantidos. Sinto muito pelos empregos mas a crise veio para todos proporcionalmente (menos para os funcionários públicos, claro).

  6. ANONIMO. disse:

    QUE JUIZA EIN, DANDO PRECEDENTE A ISTO? HORRÍVEL. MAIS UMA EMPRESA QUE VAI MORRER POR CAUSA DA ATUAÇÃO HORRÍVEL DE UM SINDICATO SANGUE SUGA!

Deixe uma resposta