Toda a Grande São Paulo e Litoral passam da fase vermelha para a laranja com mais flexibilização. Quarentena é prorrogada até dia 28/06

Publicado em: 10 de junho de 2020

Ônibus e trólebus metropolitanos que ligam a Capital ao ABC

Medida atende prefeitos como do ABC, Guarulhos e Osasco, por exemplo. Cidades do interior retrocederam

ADAMO BAZANI

Os 38 municípios da Grande São Paulo passam a partir da próxima segunda-feira, 15 de junho de 2020, da fase vermelha da quarentena, sem nenhuma flexibilização, para a fase laranja, igual da capital paulista, que permite a abertura com restrição de algumas atividades econômicas.

O mesmo ocorreu com o Litoral Paulista e região de Registro.

Para manter o sistema de fases, o governador João Doria disse que determinou nova quarentena de 15 a 28 de junho.

Na fase laranja, shoppings centers (com proibição de abertura das praças de alimentação), comércio de rua e serviços em geral podem funcionar com capacidade limitada a 20%, horário reduzido para quatro horas seguidas e adoção dos protocolos padrão e setoriais específicos. Fica proibida a abertura de bares e restaurantes para consumo local, salões de beleza e barbearias, academias de esportes em todas as modalidades e outras atividades que gerem aglomeração.

A medida atende a prefeitos da Grande São Paulo, como do ABC, Guarulhos e Osasco, por exemplo

Já no interior paulista, foram “rebaixadas” para a fase vermelha as regiões de Barretos e Presidente Prudente e da amarelo para a laranja, as regiões de Bauru e Araraquara.

A região de Ribeirão Preto também foi “rebaixada” da classificação “vermelha” para laranja.

Todos os endurecimentos dessas regiões ocorreram por causa do aumento de casos, óbitos e internações.

As regiões de Sorocaba e Campinas permanecem na classificação anterior, mas estão sendo monitoradas com mais atenção, pois acenderam o sinal de alerta

Sobre as cidades que não respeitaram as fases da quarentena e perderam na Justiça, como ocorreu com São Bernardo do Campo e Diadema, João Doria não poupou ironia  e disse que os prefeitos passaram por uma situação “vexatória”. O governador também chamou os prefeitos de rebeldes.

Sobre o ABC, o secretário de desenvolvimento regional, Marco Vinholi, disse que a mudança da fase da vermelha para a laranja ocorreu pro causa do fortalecimento da rede de saúde, mas a evolução da quantidade de casos e óbitos preocupa na região.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann, o nível de ocupação dos leitos de UTI é de 69,1% no Estado e, usando o recorte somente da Grande São Paulo, é de 76,6%. São no Estado, 4.953 pessoas internadas na UTI, e 8.123 em enfermaria.

Até o início da tarde desta quarta-feira (10), São Paulo tinha 156.316 casos confirmados e 9.862 óbitos. No Brasil, eram 739.503 casos confirmados e 38.406 óbitos.

Confira a coletiva

 

As fases são:

Fase 1 (Vermelha): Alerta Máximo – Fase de contaminação, com liberação apenas para serviços essenciais)

Na fase vermelha, ficam liberadas apenas as atividades consideradas essenciais

– Saúde: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, lavanderias e estabelecimentos de saúde animal.

– Alimentação: supermercados, hipermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento, feiras livres. É vedado o consumo no local.

– Bares, lanchonetes e restaurantes: permitido serviços de entrega (delivery) e que permitem a compra sem sair do carro (drive thru). Válido também para estabelecimentos em postos de combustíveis.

– Abastecimento: cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis e lojas de materiais de construção.

– Logística: estabelecimentos e empresas de locação de veículos, oficinas de veículos automotores, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamentos.

– Serviços gerais: lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica de produtos eletroeletrônicos e bancas de jornais.

– Segurança: serviços de segurança pública e privada.

– Comunicação social: meios de comunicação social, inclusive eletrônica, executada por empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens.

– Construção civil, agronegócios e indústria: sem restrições.

Fase 2 (Laranja): Controle – Fase de atenção, com eventuais liberações.

Na fase laranja, shoppings centers (com proibição de abertura das praças de alimentação), comércio de rua e serviços em geral podem funcionar com capacidade limitada a 20%, horário reduzido para quatro horas seguidas e adoção dos protocolos padrão e setoriais específicos. Fica proibida a abertura de bares e restaurantes para consumo local, salões de beleza e barbearias, academias de esportes em todas as modalidades e outras atividades que gerem aglomeração.

Fase 3 (Amarela): Flexibilização – Fase controlada, com maior liberação de atividades

Na fase amarela, shoppings centers (com proibição de abertura das praças de alimentação), comércio de rua e serviços em geral podem funcionar com capacidade a limitada 40%, horário reduzido para seis horas seguidas e adoção dos protocolos padrão e setoriais específicos. Adiciona-se à lista salões e barbearias, além de bares e restaurantes que estarão liberados apenas para atendimento ao ar livre. Academias e eventos que gerem aglomeração continuam com abertura suspensa.

Fase 4 (Verde): Abertura Parcial – Fase decrescente, com menores restrições

Na fase verde, fica liberado o funcionamento de todos os estabelecimentos comerciais e de serviços, incluindo academias e praças de alimentação dos shoppings, desde que com capacidade limitada a 60% e adoção dos protocolos padrão e setoriais específicos. Ficam proibidos eventos que gerem aglomeração.

Fase 5 (Azul): Normal controlado – Fase de controle da doença, liberação de todas as atividades com protocolos de segurança e higiene.

Retomada da economia dentro do chamado “novo normal”

PONTO FACULTATIVO:

Como já havia mostrado o Diário do Transporte, o governador de São Paulo, João Doria, anunciou que por meio de decreto, alterou o funcionamento de repartições públicas estaduais para este feriado de Corpus Christi (11 de junho).

De acordo com o decreto 65.009, de 8 de junho de 2020, publicado no Diário Oficial desta terça-feira (09), nestas repartições estaduais, o feriado vai ser transferido para o dia 12 de junho, não havendo expediente.

Já para as cidades que anteciparam o feriado de Corpus Christi para a semana de 22 de maio, não haverá atendimento no dia 11 de junho.

Veja o decreto aqui:

Doria suspende atendimento em repartições públicas no feriado de Corpus Christi na capital e no dia 12 para as demais cidades

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

Deixe uma resposta