OPINIÃO: Como fomentar a cultura da inovação todos os dias

Publicado em: 23 de maio de 2020

Essa necessidade é ainda maior em um ambiente de incertezas como o que estamos vivendo

GUSTAVO ALMEIDA

No dia 21 de abril celebramos o Dia Mundial da Criatividade e Inovação, criado pela Organização das Nações Unidas (ONU). A data nos recorda como é importante para as empresas estimular uma cultura de inovação que envolva a todos. Essa necessidade é ainda maior em um ambiente de incertezas como o que estamos vivendo.

Nesse cenário, é crucial capacitar nossos colaboradores e promover o espírito empreendedor. É o caso da Alstom. Embora ainda produza material rodante, a companhia evoluiu e se tornou uma promotora de mobilidade inteligente. Nossas soluções de mobilidade digital seguem as tendências mundiais. Buscam fluidez e eficiência para atender passageiros e operadores. E isso se deve, e muito, às inovações de nossos funcionários.

Desde 2018, as unidades da América Latina visam encontrar e promover ideias que possam ser replicadas em toda a região. Essa iniciativa vem de um programa que surgiu para dar mais visibilidade às sugestões dos colaboradores.

As etapas desse programa são a captação de projetos, a avaliação por uma comissão julgadora, um evento de apresentação e a divulgação das melhores propostas, que serão implementadas. Os critérios de avaliação são seis: o impacto da ideia, sua capacidade inovadora, o retorno esperado do investimento, a viabilidade da implementação, a multidisciplinaridade na equipe e o custo. Na 2ª temporada foram submetidos e avaliados 92 projetos. Os vendedores dos projetos mais criativos ganham prêmios de 1.500 euros e as equipes têm oportunidades de desenvolvimento de carreira.

A abertura à inovação permitiu à Alstom desenvolver soluções inovadoras em sinalização e em multimodalidade. A Alstom Digital Mobility apresentou inovações como a Optimet, solução de ocupação de trens em tempo real, projetada pela Metrolab, que ajuda a redistribuir os passageiros pela plataforma graças a um auxílio visual intuitivo e universal. Testes mostram que o sistema influencia 30% de passageiros em espera e reduz em 10% seu tempo de permanência nas plataformas.

Outra solução é o Iconis, sistema de segurança e controle que monitora a segurança das redes de transporte e, em caso de problema, permite a reação imediata tanto no solo quanto nos sistemas de informações aos passageiros. Com mais de 150 trens sem condutor gerenciados simultaneamente, a solução é oferecida há mais de 10 anos em 10 países, e proporciona até 20% de economia de energia. Há também o Aptis, ônibus elétrico revolucionário que transporta até 95 passageiros e possui autonomia de 200 quilômetros, oferecendo transporte limpo, suave e econômico. A inovação já foi testada em 2019, na América Latina, em Santiago, no Chile.

Em termos globais há o programa “I Nove You”, realizado todos os anos e projetado para liberar o poder inovador de todas as pessoas da Alstom. O “I Nove You” deu origem a várias soluções inovadoras. Entre elas estão o Coradia iLint, o primeiro trem de hidrogênio do mundo, o StationOne, plataforma on-line de peças de reposição, bem como o conjunto de manutenção digital HealthHub e o sistema de freios regenerativos Hesop, que permite que até  99% da energia gerada na frenagem seja usada para abastecer as redes inteligentes de energia. Na 12ª edição do “I Nove You”, em dezembro passado, na França, foram enviados 620 projetos de 23 países, envolvendo mais de 2.000 participantes. Entre os finalistas, funcionários da América Latina, de países como Brasil e México.

Essa abordagem confirma a importância da inovação para o Grupo. A inovação está no coração do plano estratégico “Alstom In Motion”, para construir e reinventar a mobilidade de amanhã. E assim reforçamos nosso compromisso de fazer mais e melhor, com metodologia ágil e que favoreça a criatividade e inovação das pessoas.

Gustavo Almeida é Vice-presidente de Recursos Humanos da Alstom para a América Latina, onde lidera a atração e o desenvolvimento de talentos, gestão de carreiras, remuneração, benefícios, diversidade e responsabilidade social para os cerca de três mil funcionários que trabalham nos 10 países em que a Alstom mantém operações na região.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Hoje é fato de que o ser humano precisa pensar à frente. Há anos gostaria de implementar um projeto para autos, um acessório, que acoplado à veiculos pudesse ser acionado em dias de chuvas e enchentes, evitando assim perda do veiculo, nas inundações, como também ter um eficiente bomba de sucção na entrada do tunel do Vale do Anhangabaú. Sei que tem, mas não funciona como deveria nas grandes chuvas. Como também um projeto que a própria METRA poderia fazer na baixada da avenida Piraporinha onde há enchentes, após o terminal em direção à SBC, em implantar um elevador hidráulico (como usados em postos de gasolina-pra troca de óleo), acionado por um funcionário do terminal, para manter o fluxo de troleibus e diesel..exclusivo do corredor…(quem sabe alguém ver isto e levar à empresa.).A cidade de SP também deveria criar equipe (permanente) de força tarefa, que trabalhasse em diversas idéias e soluções nos casos de deterioração da cidade, quebras, danos em patrimonio público, e resolver casos crônicos que atrapalham e atrasam o ir e vir das pessoas.

  2. Paulo Gil disse:

    landauford1970, bom dia.

    Só as mentes inquietas é que trabalham 24 horas/dia vendo defeitos, criando soluções e querendo fazer as coisas acontecerem.

    Parabéns pelas suas ideias!

    Mas o sistema é JURÁSSICO e infelizmente há muitas força$ oculta$ por traz de tudo o que impede que ideias inovadoras sejam aplicadas.

    Há 20 anos atrás quando o avião caiu por não ter aberto o reverso, um amigo meu (também mente inquieta: me disse.

    Se tivesse uma simples câmera o piloto saberia que o reverso tinha aberto.

    E veja você só hoje depois de 20 anos foi desenvolvido um buzão com câmeras no lugar do retrovisor, em recente matéria publicada aqui no DT outro dia.

    Há uns 5 anos +/- eu mandei uma sugestão para a CET com relação a uma alteração no acesso à marginal Pinheiros no lado do joquei na Ponte Euzébio Matoso, e somente há uns meses atrás foi implantado e olha que não houve custo de obras e nem cobrei pela ideia.

    Mas é isso landauford1970, continue com a mente inquieta e propondo soluções, temos de fazer a parte que nos cabe.

    PARABÉNS !

    SAÚDE A TODOS !

    Att,

    Paulo Gil

    .

Deixe uma resposta