Brasília revitalizará 158 abrigos de ônibus icônicos da capital

Publicado em: 2 de maio de 2020

Janelinha no abrigo teria sido projetada para instalar um painel luminoso com informações sobre a cidade e as linhas de ônibus, o que nunca aconteceu. Foto: Agência Brasília

Com projeto datado de 1961, abrigos são retangulares, revestidos de azulejos, e possuem um vão nas paredes, semelhante a uma janela

ALEXANDRE PELEGI

As paradas de ônibus de Brasília, assim como a cidade, são pequenas esculturas urbanas.

No Plano Piloto, há 13 modelos diferentes de abrigos, todos eles projetados entre 1961 e 1996.

Dentre os projetos, estão as assinaturas de arquitetos famosos como Oscar Niemeyer, Lelé, Sabino Barroso e RR Roberto.

É atribuída ao arquiteto Sabino Barroso a autoria do design dos abrigos mais comuns, com projeto datado de 1961. O arquiteto colaborou com Oscar Niemeyer nos projetos de Brasília e participou ainda dos projetos das primeiras estações do metrô do Rio.

São paradas retangulares, revestidas de azulejos, que possuem um vão nas paredes, semelhante a uma janela. São 158 unidades, de acordo com levantamento feito pelo arquiteto Roberto Gonçalves. A janelinha teria sido projetada para instalar um painel luminoso com informações sobre a cidade e as linhas de ônibus, o que nunca aconteceu.

A manutenção dessas paradas, localizadas nas asas Sul e Norte e no Cruzeiro Velho, ocorrerá durante todo o mês de maio.

Os 158 abrigos estão espalhados pelas Asas Sul, Norte e Cruzeiro Velho e todos receberão melhorias como pintura, reparos em geral e limpeza.

A operação tem como objetivo revitalizar essas paradas que fazem parte do projeto urbanístico original de Brasília. A ideia é também proporcionar mais comodidade, conforto e segurança aos usuários do transporte público coletivo.

A ação está sendo realizada pela Secretaria de Transporte e Mobilidade por meio de uma empresa que atua por concessão e explora a publicidade nesses equipamentos.

A revitalização não acarretará custos para o governo, já que por contrato, a empresa é obrigada a realizar a manutenção.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta