Coronavírus causa impacto nas receitas do transporte em Bagé (RS)

Foto: Divulgação

Estimativas chegam a 80% de queda na receita do transporte público da cidade

WILLIAN MOREIRA

Com o estado de calamidade pública decretado, o transporte coletivo na cidade de Bagé, no Rio Grande do Sul, sofreu uma drástica redução, resultado do confinamento das pessoas, fechamento do comércio e outras medidas de restrição ao contato social.

Uma das empresas que operam na cidade o transporte urbano, a Stadbus, projeta a diminuição de 80% na arrecadação com o valor das tarifas, impactando a operação do transporte como um todo.

Os cálculos foram revelados pelo gerente da empresa, Alexandre Solari.

Diante disto, a Stadbus precisou conceder férias para parte dos funcionários, enquanto outros seguem trabalhando com revezamento de escalas. A empresa está com dificuldades para cumprir as obrigações financeiras, inclusive de manutenção.

Apesar da queda no uso do transporte, os custos de operação seguem inalterados, levando em conta fatores como, por exemplo, a manutenção dos veículos nas garagens, gastos diários com combustíveis, higienização, entre outros. Na outra ponta, a arrecadação, decorrente em sua maior parte do valor da passagem paga por embarque, está em queda vertiginosa.

A cidade decretou ainda, desde o dia 23 de março, um toque de recolher entre as 21h e 6h da manhã, fazendo com que o transporte opere somente fora deste horário de restrição, circulando do começo da manhã até as 21 horas.

Willian Moreira em colaboração especial para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta