EMTU, Metra e CPTM devem ter operação coordenada com ônibus municipais do ABC, diz Baldy

Publicado em: 25 de março de 2020

Corredor ABD

Passageiros já relatam longas esperas no momento de troca entre meios de transporte diferentes por causa das medidas de redução da frota devido às medidas para frear o coronavírus

ADAMO BAZANI

Técnicos da STM – Secretaria dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo e das sete prefeituras do ABC Paulista devem se conversar ainda nesta semana para coordenação das operações e horários da linha 10-Turquesa da CPTM, dos trólebus da Metra no Corredor ABD, dos ônibus do sistema metropolitano da EMTU e dos ônibus municipais da região.

A informação é do secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, em entrevista à Rádio ABC e ao Diário do Transporte na manhã desta quarta-feira, 25 de março de 2020.

“Estaremos em diálogo para que nós possamos estar ligados em todo o momento para que justamente nós não tenhamos neste momento um trem chegando à estação ou a EMTU chegando ao seu ponto e depois os passageiros fiquem esperando muito tempo. Nós reduzimos a frota da CPTM em 35%, mas ontem a redução do número de passageiros foi de 75%. Esse diálogo vai ser diário e até horário, caso necessário” – disse.

Passageiros já relatam esperar muito tempo na troca de meio de transporte. Com a redução da frota, os intervalos tendem a ser maiores, sendo assim necessária maior coordenação entre transportes metropolitanos e municipais.

Nesta terça-feira, 24, Alexandre Baldy e os prefeitos reunidos no Consórcio Intermunicipal ABC se reuniram e as sete cidades decidiram não mais proibir completamente a circulação dos ônibus municipais a partir de 29 de março em Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

Mas a redução da frota vai ser significativa.

Durante a semana, nos horários de pico, os ônibus municipais no ABC vão operar com 50% da frota e, nos demais horários, serão 30%. Já aos fins de semana, serão 30% dos ônibus municipais operando em horários de pico e 15% nas demais horas.

Quanto aos ônibus EMTU, Metra, CPTM, Baldy disse que 65% da frota operam (redução de 35%). Segundo o secretário, esse percentual deve ser por linha e não por frota geral para não haver desequilíbrio entre uma linha e outra.

O secretário disse ainda que pode haver mudanças de percentuais de frota linha por linha dependendo do nível de lotação. O objetivo é não haver aglomeração nas composições e ônibus.

“Se for necessário aumentar a frota em determinadas linhas, será aumentada” – prometeu Baldy.

O secretário ainda acrescentou na entrevista que devido ao afastamento de funcionários com mais de 60 anos ou com sintomas suspeitos provocou uma redução de cerca de 30% nos quadros dos trabalhadores do Metrô e CPTM.

Ouça a entrevista:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. vagligeiro disse:

    vamos ver se agora os governos aprendem.

Deixe uma resposta