Consórcio de prefeitos do ABC não vai mais paralisar a operação dos ônibus na região a partir de 29 de março

Publicado em: 24 de março de 2020

Decisão foi tomada depois de reunião extraordinária entre prefeitos e secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy

ADAMO BAZANI

Os ônibus das sete cidades do ABC Paulista não vão mais parar completamente a partir do dia 29 de março de 2020.

A decisão foi tomada na manhã desta terça-feira, 24 de março de 2020, depois de reunião extraordinária entre prefeitos e o secretário dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy.

De acordo com o prefeito de Rio Grande da Serra e presidente do Consórcio Intermunicipal do ABC, Gabriel Maranhão, a região vai  operar com redução nos horários de pico de 50% e com  30% da frota no entre-pico No fim de semana, serão 30% da frota no pico e 15% nos demais horários.

Maranhão disse que a decisão é um realinhamento com o Governo do Estado e que as prefeituras vão monitorar o cumprimento dos percentuais pelas empresas de ônibus.

O presidente do consórcio ainda falou que deve haver redução na frota dos ônibus metropolitanos, mas não exatamente nos mesmos percentuais.

A demanda de passageiros em todo o ABC dos ônibus muncipais caiu em média 73% nos últimos dias

A medida de reverter a paralisação total dos ônibus se dá principalmente para garantir o transporte de pessoas que trabalham em setores essenciais, como da área da saúde e de supermercados, enrre outros.

Em nota oficial, o Consórcio Intermunicipal fala que a redução gradativa até o dia 28 será mantida, mas não haverá a paralisação total dos ônibus a partir do dia 29.

Em Assembleia Extraordinária do Consórcio Intermunicipal Grande ABC realizada por videoconferência nesta na manhã desta terça-feira (24/3), que reuniu os prefeitos dos sete municípios que compõem a região e com participação dos secretários estaduais de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, e de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, foi acordado o realinhamento da medida de suspensão do Transporte Coletivo Municipal no Grande ABC. 
Após reavaliação e estudos técnicos tanto do Governo do Estado, com base nas linhas da CPTM, do Metrô, da Metra e outras linhas que interferem no sistema de transporte público municipal com o Grande ABC, e com os estudos técnicos das Secretarias de Mobilidade dos sete municípios, ficou estabelecido entre as Prefeituras e o Governo do Estado que, a partir da 0h de 29 de março (domingo), o Transporte Coletivo Municipal das sete cidades será realizado com frota de 50% nos horários de pico e de 30% nos demais horários. Aos fins de semana e feriados a frota será de 30% nos horários de pico e de 15% nos demais horários. Uma decisão responsável que tem por objetivo atender as atividades essenciais e excepcionais de acordo com a demanda e peculiaridade de cada município.
A interrupção do serviço de forma gradativa até o 28 de março (sábado) será mantida, conforme decisão anterior. 
A medida faz parte de um esforço regional para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19), que configura pandemia. A decisão do Consórcio ABC junto às Prefeituras e ao Governo do Estado é passível de revisão a qualquer momento, como todas as medidas no combate à pandemia. 
A população nesse momento de crise deve colaborar com o poder público e sair de casa somente se for estritamente necessário. Portanto, todos devem ficar em casa para conter a pandemia do Covid-19.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Laura Maria de Sousa disse:

    É um risco muito grande, pois as pessoas que não estão nesse grupo necessário para trabalhar vão superlotar os poucos ônibus que vão circular, tem que colocar ônibus só para essas pessoas que necessitam trabalhar, como funcionários da área de saúde, hipermercados e outros, tem que ter um controle, como por exemplo: verificar um crachá ou algo que comprove que a pessoa está nesse grupo, no Rio do Janeiro o governador está fazendo assim, as pessoas não tem noção da gravidade do corona vírus, essas pessoas que não necessitam vão atrapalhar os que necessitam. Laura Maria de Sousa, Santo André

  2. Loyde disse:

    Medida sensata!! Transporte público é serviço prioritário.
    Temos trabalhadores das áreas essenciais que precisam circular.
    Medidas inteligentes e sincronizadas são muito bem vindas!!

  3. BIANCA DOS SANTOS ROCHA disse:

    Absurdo, eu estava tão orgulhosa por ver o quanto o grande ABC estava sendo responsável ao contrário do governador do estado… E aí voltam atrás, desistem, tem que parar tudo sim, ninguém na rua, sujeito a multa, e fechar empresas.

  4. Walter Eduardo da Silva Baquero disse:

    Era só o que faltava !! Tava cheirando golpe !! Reduzir é necessário, tirar os funcionários que estão no grupo de risco, é obrigatório, agora tirar todos os ônibus de circulação é irresponsabilidade, e estava cheirando a golpe para reajuste dos preços das passagens !!

  5. Evanir S. de Santana disse:

    devem rever o que é melhor para a população. estamos correndo riscos e ao que parece o governo em geral não está sabendo lidar com a situação, ora tomam medidas, ora revertem elas e os grupos de não essenciais ficam sem saber se vão ao trabalho ou não, muitas empresas não estão aderindo nenhuma medida para que fiquemos tranquilos diante do caos.

  6. Raiana disse:

    Estão querendo mais casos de corna vírus? Muitas pessoas vão ser obrigadas a sair de casa porque tem empresas que não fecharam. Ou seja ônibus cheio do mesmo jeito. E cadê a segurança que vocês alegam que estão tomando? Mando de irresponsável, mais claro que vocês não estão nem ai, tem carro particular. Lamentável. Vamos orar e pedir proteção de Deus pois é o único que pode nos ajudar. Esperar pela lei do homem é esperar pela morte.

  7. Silene disse:

    Pelo menos os governadores e prefeitos estão fazendo algo. Diferente do ilustre presidente que só debocha da situação aff

  8. Gerson disse:

    Por uma parte está certo como as pessoas ia trabalhar ?
    Farmácias, supermercado e demais não possuí fretado para as pessoas trabalhar

  9. J. Marques - Gestão Compartilhada disse:

    Sou especialista em meio ambiente, é necessário um controle, mas paralisar o transporte é irresponsabilidade. Os que precisam de suportes prioritários iriam ficar sem esse suporte, ou muito comprometido; como segurança, saúde e outros serviços. Às críticas, certamente logos serão melhores avaliadas. Uma sugestão: Alcool Gel nos acessos aos transportes, nos sanitários dos terminais e uma equipe de higiene atuando constantemente.

  10. Maurício Neves disse:

    Que absurdo!
    Vcs estão querendo MATAR A POPULAÇÃO?
    ESTÃO LOUCOS? BANDO DE FDP!

  11. RodrigoZika disse:

    Fizeram o correto, muita empresa não tem como dar o home office, e a pessoa tem que pegar transporte público, em SP esta assim.

  12. Todos os prefeitos do ABCDRMR, junto com o Governador e o Prefeito de São Paulo não passam de OPORTUNISTAS. Acorda POVAO querem quebrar o país causando pânico e caos na população. Parem de ver televisão e ouvir rádios só tem corrupto na política. Precisamos trabalhar, comer e pagar as nossas contas. Já está demissão em massa. As empresas e os comércios não podem parar. O grupo de risco fica em casa o resto vão trabalhar. Sao Paulo e Rio de Janeiro tá em mais casos, pq não cancelaram o carnaval, foi feito o pedido mais ganância dos políticos é grande. Agora guenta o rojão povo, qdo falta comida, dinheiro para pagar luz, água, gás vao pedir pro Dória e os prefeitos da cidade de vcs, as empresas não são obrigadas a pagar salários e rescisões dia empregos o governo e a prefeitura terão que arcar com estas despesas. Está no artigo da CL T, como as pessoas vão trabalhar sem transporte público, isso não existe. Deixemos de ser aliados e cegos. Jogada política suja.

Deixe uma resposta