Negócios da Marcopolo crescem 17,6% no Brasil em 2019 e fabricante prevê expansão em 2020

Publicado em: 27 de fevereiro de 2020
Marcopolo

Ônibus rodoviários e micros foram destaques, mas Marcopolo diz que participação no segmento de urbanos foi acima da média histórica da empresa.

No balanço, a Marcopolo diz que considerando todos os segmentos, respondeu em 2019 por quase metade de todos os ônibus produzidos e vendidos no Brasil

ADAMO BAZANI

A fabricante de carrocerias de ônibus Marcopolo divulgou na manhã desta quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020, dados do desempenho de 2019 e as perspectivas para 2020.

No comunicado, a empresa diz que trabalha com a estimativa de crescimento, mas não arriscou informar percentuais. A prevista recuperação econômica brasileira e a retomada das exportações, de acordo com a Marcopolo, podem trazer um ambiente favorável.

“As perspectivas da Marcopolo para 2020 são de crescimento, com a continuidade da elevação de demanda no mercado interno, recuperação das exportações e resultados melhores em praticamente todas as operações internacionais.  No Brasil, a taxa básica de juros em seu menor nível histórico e a confirmação do esperado crescimento econômico, devem permitir o prosseguimento dos programas de renovação de frota em todos os segmentos.”  – diz a nota.

Ainda no primeiro trimestre, a Marcopolo vai retomar a política de reumeração a acionistas a cada três meses. A partir de 03 de março serão liberados R$ 45 milhões aos investidores em forma de dividentos.

A empresa possui em torno de 38 mil acionistas.

Segundo a encarroçadora, foi possível fechar 2019 com crescimento de 2,8% em relação ao ano anterior. A receita líquida em 2019 foi considerada recorde atingindo R$ 4,314 bilhões, contra R$ 4,197 bilhões em 2018.

Os negócios dentro do País aumentaram 17,6%, passando de R$ 1,916 bilhão em 2018 para R$ 2,252 bilhões em 2019, e representaram, segundo a Marcopolo, mais da metade da receita líquida (52,2%). O lucro líquido também cresceu 11,1% e atingiu R$ 212 milhões.

Mas nem todos os números foram positivos.

De acordo com o balanço, a produção global consolidada da Marcopolo totalizou em 2019, 15.741 unidades, 2,2% inferior às 16.103 fabricadas no exercício de 2018.

A maior parte deste volume, 13.330 unidades, foi produzida no Brasil e as demais 2.411 unidades no exterior.

Por meio de nota, o diretor de Relações com Investidores da Marcopolo, José Antonio Valiati, disse que o ano de 2019, apesar do crescimento, foi marcado por inconsistências. As exportações impediram um resultado melhor, bem como a compra de ônibus rodoviários, que são mais caros, não seguiu um padrão de crescimento.

“O fornecimento para clientes do mercado brasileiro cresceu 2,9% (10.532 unidades), mas não compensou em volume a queda de 24,1% registrada nas exportações (2.881 unidades). No País, o processo de recuperação de volumes foi arrefecido pela menor demanda de ônibus rodoviários com maior valor agregado e com entregas menores ao programa federal Caminho da Escola. Nas exportações, houve queda de 25,4% nos negócios (R$ 1,015 bilhão contra R$ 1,360 bi, em 2018) e a demanda foi afetada por crises nos principais mercados sul-americanos e menores volumes vendidos para o continente africano”

Nas unidades da Marcopolo no exterior, receita e volume de produção cresceram, com R$ 1,046 bilhão (elevação de 13,6% em relação aos R$ 921 milhões de 2018) e 2.411 unidades fabricadas (contra 2.145 do ano anterior, aumento de 12,4%).

Os destaques entre as fábricas do exterior foram, de acordo com a empresa, a Marcopolo México, Superpolo (Colômbia) e Volgren (Austrália).

“Enquanto as duas primeiras elevaram produção e resultados frente a 2018, a operação australiana, mesmo com diminuição de volumes, conseguiu reverter a condição de prejuízo do ano anterior”.

MARCOPOLO ABOCANHOU METADE DO MERCADO INTERNO:

No balanço, a Marcopolo diz que considerando todos os segmentos, respondeu em 2019 por quase metade de todos os ônibus produzidos e vendidos no Brasil (49,8%.).

Por segmentos, os destaques foram os rodoviários e os micros.

– Rodoviários: 67,9% de participação no segmento

– Micro-ônibus: 58,1% de participação no segmento

– Urbanos: 39,6% de participação no segmento, com índice superior à média histórica

– Miniônibus: A divisão de ônibus pequenos da Marcopolo, a Volare, também registrou alta, segundo o comunicado.

“Em miniônibus (Volare) também foram destaques, com crescimento de 9,7% (3.929 unidades contra 3.583) e 7% (2.305 veículos contra 2.154, em 2018), respectivamente.”

Segundo a nota da Marcopolo, o “resultado é reflexo da estratégia adotada nos últimos dois anos de reforçar o relacionamento e a atuação junto aos clientes, criar soluções inovadoras, e oferecer amplo mix de produtos, com ampla rede de vendas e atendimento de serviços e pós-venda.”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. DIEGO disse:

    Mas a Marcopolo agora ficou ligeira, vai voltar a produzir e disponibilizar ônibus a pronta entrega para os clientes. A Busscar fez isso, ela viu que deu certo e agora vai no embalo.

  2. ZéTros disse:

    A Marcopolo faz isso desde 2012 Diego. O que ela vai fazer agora é disponibilizar mais DD a pronta-entrega por conta do aumento da demanda por esta carroceria.

Deixe uma resposta