ABRATI faz 25 anos e diz que há o que comemorar, mas empresas rodoviárias têm novos desafios pela frente

Há 25 anos, ainda eram produzidos ônibus monoblocos no Brasil. Foto: Adamo Bazani (Diário do Transporte)/Arquivo

Entidade que representa empresas de transporte de passageiros por ônibus foi criada em 16 de fevereiro de 1995

ALEXANDRE PELEGI

Há 25 anos, no dia 16 de fevereiro, era criada a Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (ABRATI).

A entidade que representa mais de 70 empresas de ônibus rodoviários interestaduais do serviço regular em todo o Brasil, completa, portanto, 25 anos de atuação no setor.

Em comunicado à imprensa especializada, a Associação, que acompanha os altos e baixos do longo caminho percorrido até os dias hoje, reconhece que há muito para comemorar, mas também novos e grandes desafios pela frente, além de contabilizar inúmeras conquistas para o setor.

A Abrati vem atuando, dando apoio e suporte às demandas cruciais para o desenvolvimento do segmento rodoviário de ônibus interestaduais no Brasil, hoje apto a oferecer um serviço público de qualidade e com regularidade em mais de cinco mil municípios brasileiros”, informa a entidade.

De acordo com a Abrati, esse apoio vai da área jurídica às causas que permitiram às empresas regulares associadas alcançarem níveis cada vez mais elevados de qualidade na oferta de serviços, “até a luta por melhores condições de infraestrutura das estradas brasileiras”.

Para Eduardo Tude de Melo, presidente da Associação, o setor enfrenta atualmente o desafio da desregulamentação. “É um momento de grande expectativa, em que as regras estão mudando. O importante, nesse processo, é que a Abrati está atenta a toda essa movimentação, se antecipando nas ações que visam preservar os direitos das empresas associadas”, afirma.

Eduardo destaca e reconhece que entre as mudanças que estão sendo propostas é fundamental que haja desburocratização de processos do setor e o desenrolar da legislação para permitir que as empresas sigam se renovando e aprimorando para atender às necessidades do passageiro e do mercado.

O comunicado da Abrati, no entanto, ressalta os números do segmento rodoviário regular de transporte terrestre de passageiros. “É a soma de empresas que representam cerca de 80% do total de passageiros x quilômetros transportados de todo o segmento rodoviário regular interestadual e internacional. E também o responsável pela geração de 60 mil empregos diretos, sendo 15 mil só para motoristas”.

São números substantivos, que mostram apenas em 2018 o setor transportando 50 milhões de passageiros por ano e realizando 2,2 milhões de passagens, além da oferta de 4,8 milhões de gratuidades a passageiros idosos, portadores de necessidades especiais e jovens carentes.

A atividade desenvolvida pelo setor permite a acessibilidade de milhares de pessoas ao transporte rodoviário intermunicipal, interestadual e internacional de passageiros e vem se aprimorando a cada ano com o uso de novas tecnologias que permitem maior conforto e segurança nas viagens.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Informe Publicitário
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Deixe uma resposta