Mais da metade dos funcionários da Volvo usa ônibus fretado para ir trabalhar

Publicado em: 26 de janeiro de 2020

Fabricante está localizada em Curitiba, no Paraná

JESSICA MARQUES

Atualmente, 52% dos funcionários da Volvo, localizada em Curitiba, no Paraná, opta por ônibus fretado para ir para o trabalho. O sistema de transporte é oferecido nos dois turnos de trabalho em que a empresa opera.

A Volvo conta com 46 linhas de transporte no 1º turno e 23 linhas no 2º turno da fábrica de Curitiba. Oferece ainda mais 21 linhas no C3 (Centro de distribuição de peças, localizado em São José dos Pinhais), que cobrem adequadamente as demandas diárias de cerca de 2.541 funcionários de Curitiba e Região Metropolitana. Nos trajetos com menor número de passageiros, são utilizados micro-ônibus e vans.

Na visão do presidente da FRESP (Federação das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento do Estado de São Paulo), Milton Zanca, é preciso uma mudança de cultura e, principalmente, um novo olhar para questões como o fretamento.

“Quanto mais instituições incentivarem este tipo de transporte, maiores serão benefícios em todos os âmbitos, já que ele contribui com a redução da poluição, com o número de acidentes, com o excesso de carro e proporciona qualidade de vida do colaborador, que reflete no seu trabalho”, disse.

Dados do Observatório das Metrópoles registrados entre os anos de 2002 e 2012 revelaram que, enquanto a população brasileira aumentou 12,2%, o número de veículos registrou um crescimento de 138,6%.

Na visão do diretor de RH do Grupo Volvo América Latina, Ricardo Nanami, fortalecer o cuidado com as pessoas e construir uma relação de confiança é essencial.

“Com esta ampla abrangência e qualidade nos serviços temos um nível alto de utilização do transporte, incentivando o uso coletivo do transporte. O funcionário tem apenas um custo simbólico no transporte diário de casa até a empresa. É apenas uma fração do custo que a empresa paga por este serviço, gerando uma economia mensal substancial no orçamento dos funcionários, principalmente para aqueles que residem em locais mais distantes”, disse.

Nanami afirmou ainda que, além garantir conforto e a segurança dos colaboradores no trajeto diário casa-Volvo, Volvo-casa, o transporte coletivo por ônibus evita que os estacionamentos fiquem cheios e os veículos sejam deixados na rua, colocando em risco funcionários.

“Na questão ambiental temos menos veículos circulando na cidade, menos congestionamentos, menos poluição e uma importante contribuição para melhorar a mobilidade urbana”, disse.

 “Os funcionários são transportados em veículos confortáveis, seguros e de qualidade, e chegam ao trabalho descansados e despreocupados, evitando o estresse tradicional do trânsito. O transporte melhora a disposição, evitando a fadiga e colabora na economia de gastos com gasolina, manutenção do veículo, entre outros itens”, finalizou.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. Isso aí, Já na prefeitura da cidade de Santo André, um ex prefeito queria construir uma garagem subterrânea n Paço, para priorizar servidores, com autos, sendo que , qualquer cidadão simples que não seja estudado em geografia, sabe que a cidade nos 4 cantos, o próprio servidor pode até vir de coletivo, que não dura mais do que 30 minutos, ou máximo 40, até o Paço. O transporte da cidade não é tão ruim assim…

Deixe uma resposta