Passe Livre marca para dia 07 protesto contra reajuste de tarifa em São Paulo que ocorre no dia 1º

Reajuste será em todos os subsistemas de ônibus na capital

Tarifa básica vai subir para R$ 4,40

ADAMO BAZANI

O MPL – Movimento Passe-Livre anunciou em suas redes sociais, como Twitter e Facebook, que vai realizar no dia 07 de janeiro de 2020 protesto contra os aumentos das tarifas de transportes públicos em São Paulo. O reajuste vai ser aplicado seis dias antes, em 01º de janeiro de 2020.

O local ainda vai ser definido e a data da manifestação coincide com o fim das festas natalinas e de Ano Novo, quando diversas pessoas estão em viagem.

O valor da tarifa básica sobe no dia 1º de R$ 4,30 para R$ 4,40 nos ônibus municipais de São Paulo (gerenciados pela SPTrans), no Metrô, monotrilho e CPTM. Segundo a prefeitura de São Paulo e o Governo do Estado, o reajuste é de 2,33%, abaixo da inflação, que, pelo IPC/Fipe – Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, deve chegar até 4,08% no fim de dezembro.

Na capital paulista, a gestão do prefeito Bruno Covas vai manter a diferenciação dos valores da tarifa comum e do Vale-Transporte, uma medida que sofreu diversas contestações na Justiça. Houve ganhos de causa para entidades empresariais que conseguiram restabelecer o valor para o mesmo patamar da tarifa comum, mas uma decisão do STJ –Superior Tribunal de Justiça permite a cobrança diferenciada. Entidades como Idec – Instituto de Defesa do Consumidor e Defensoria Pública tentam derrubar a decisão.

Assim, Bruno Covas vai aumentar o Vale-Transporte de R$ 4,57 para R$ 4,83. A alta será acima da inflação, atingindo 5,7%. A integração pelo Vale-Transporte vai subir 10,2% passando de R$ 7,95 para R$ 8,76, segundo comunicado do secretário municipal de mobilidade e transportes, Edson Caram, para o presidente da Câmara Municipal, Eduardo Tuma.

Quem quiser escapar do aumento por alguns meses, pode carregar o Bilhete Único pelo valor atual até 31 de janeiro e, no caso do Metrô e da CPTM, uma opção é comprar os bilhetes individuais de papel com tarjeta eletrônica, Edmonson.

As tarifas integradas e dos bilhetes temporais também terão reajuste.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. João Luís Garcia disse:

    Movimentos e protestos como esse deveriam ser considerados criminosos
    Afinal como não haver aumento da tarifa ?
    – Salários dos Motoristas, Cobradores, Administrativos, todos houveram reajuste
    – Pneus, tiveram reajuste
    – Óleo Diesel, teve reajuste
    – Peças, teve reajuste
    – Chassis dos Ônibus, tiveram reajuste
    – Carrocerias dos Ônibus, tiveram reajuste
    Etc…
    São protestos vazios, sem argumentos técnicos, sem embasamento algum
    Qualquer que seja o ramo de atividade, comercial, industrial, tem reajuste nos seus preços para cobrir os aumentos repassados pela cadeia produtiva.
    E pior pois com certeza muitos dos protestantes nem sabem o que ali estarão fazendo, pois serão utilizados como fantoches para protestar
    Com certeza muitos políticos demagogos e hipócritas também ali estarão.

    1. Luis disse:

      O negócio é diminuir margem de lucro dessas empresas que entregam um serviço de qyalidade e conforto ruim.

  2. Roberson disse:

    Pq criminoso?

  3. Francisco Jose Sarmento disse:

    Só mesmo um bobo alegre para pensar em fazer manifestação contra um aumento irrisório mas necessário! Deve ter muito tempo livre…

  4. Alfredo disse:

    São desocupados e militantes de grupos de esquerda, fizeram uma grande baderna em outros anos prejudicando a cidade, não tem nenhuma razão a não ser a política tais protestos, se estão preocupados com tarifas caras, porque não protestam no sistema Anchieta Imigrantes que cobra um pedagio absurdo de caro? Assim teriam o respeito da população certamente, e sem a baderna dos black books

Deixe uma resposta para João Luís Garcia Cancelar resposta