Passageiros da Região Metropolitana de Campinas podem usar créditos de antigos cartões somente até o fim de dezembro

Ônibus da Capellini em Monte Mor (RMC). Foto: José Eduardo Garcia Pontual

Créditos antigos nos ônibus intermunicipais da EMTU valem até dia 31. Cartões antigos devem ser trocados

ALEXANDRE PELEGI

A EMTU – Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos informa que a validade dos créditos nos cartões Comum e Meia-Tarifa das antigas permissionárias que operavam o sistema de ônibus intermunicipais da Região Metropolitana de Campinas (RMC) termina no dia 31 de dezembro de 2019. Não haverá nova prorrogação.

Quem ainda têm cartões antigos deve usar os créditos que ainda restam até o fim do mês.

Quando o Cartão Bus + foi lançado em junho deste ano, a EMTU afirmou não ser possível fazer a transferência do crédito para um cartão novo. Isso porque o sistema atual de bilhetagem não é compatível com o antigo.

As cinco modalidades do cartão eletrônico BUS+ (Vale-Transporte, Cidadão – correspondente ao antigo Comum-, Escolar, Sênior e Especial) podem ser utilizadas em toda a frota metropolitana da RMC gerenciada pela EMTU/SP e operada pelo Consórcio BUS+.

FAZER CADASTRO

Para obter o novo cartão eletrônico, o usuário deve fazer o cadastro em um dos 18 pontos de atendimento do Consórcio BUS+.

A lista com os endereços está disponível neste link busmais.com.br/sobre/atendimento.

O prazo de entrega do cartão é de até cinco dias úteis após o cadastro. Os passageiros também devem ir a um dos postos para carregar o cartão.

CONSÓRCIO BUS+

O Consórcio BUS+ é formado pelas empresas consorciadas Transportes Capellini, Expresso Metrópolis Transportes e Viagens, Transportadora Salamanca, Expresso Fênix Viação, Expresso Jota Jota e Auto Viação Campestre.

Mensalmente, a frota de 408 ônibus do BUS+ roda 3,4 milhões de quilômetros, distribuídos nas 130 mil viagens realizadas pelos corredores da RMC. Em média, o consórcio atende três milhões e duzentos mil passageiros por mês, dos quais cerca de 30% são gratuidades.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta